Pular para o conteúdo principal

Leituras da Semana #39

A volta à rotina normal foi realmente sentida em termos de disposição para ler. Voltei ao trabalho nesta semana, comecei academia e anda fazendo um calor infernal por esses lados! Não sei vocês, mas calor não é sinônimo de tempo bom pra ler.

De qualquer forma, houve evolução. Terminei cinco livros nesta semana, mas antes de vir dizer que eu leio muito rápido e bláblá, são curtinhos e rápidos.

Terminei de ler 365 dias extraordinários, fofura. Eu, um dia, quero ler o livro como se deve, um preceito por dia. Anotei alguns no meu journal para continuar relembrando.

E o terceiro volume de Fazendo meu filme, que foi meio ruim. Não consigo gostar da Fani, desculpa aí! Tem uma cena que não me sai da cabeça, quando a mãe dela faz alguma coisa e ela corre pra chorar no colo do pai. Não rolou.

Depois eu li Morte na Mesopotâmia da Agatha Christie. Não sei, os livros da Agatha são tão rapidinhos, tão divertidos, me lembra, nesse sentido, os chick-lits. Porque também estes são rapidíssimos de ler e tem um alto teor de entretenimento. Até que não faz tanta diferença ele se passar no Iraque atual, porque o livro corre somente dentro da casa onde ocorre o crime, ainda assim, é um mistério bem interessante.

Depois eu li Reze pelas mulheres roubadas da Jennifer Clement. Eu conheci o livro através de uma resenha da Denise Mercedes, salvo engano. Mas é aquele tipo de livro que eu tinha convicção de que ia amar, porém, deixei pra comprar só agora em janeiro. Mas a espera valeu a pena porque ele é tudo que eu esperava. Livro lindo! Certeza que é o melhor do ano até agora!

Por fim, terminei de ler Heróis muito espertos, que faz parte da coleção de contos da Martin Claret. Eu pretendo fazer um post mais detalhado sobre essa coleção porque ela é lindíssima.

O que você leu nessa semana?
Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | O Curioso Caso de Benjamin Button - F. Scott Fitzgerald

Editora: L&PM
Páginas: 64
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1922 com o título de The Curious Case of Benjamin Button

Em uma introdução a “O curioso caso de Benjamin Button”, Fitzgerald escreveu que baseou esta história numa observação de Mark Twain – ele afirmava ser uma pena que a melhor parte da vida viesse logo ao começo e a pior parte ficasse para o final. Neste conto, Fitzgerald inverte esta lógica: o esperado bebê do casal Button nasce com setenta anos, um metro e 73 centímetros de altura, uma barba proeminente e muitos cabelos brancos. Para além do estranhamento inicial que o nascimento causa na Baltimore do século XIX, Benjamin, a cada dia que passa, fica menos enrugado, menos curvado e mais jovial. Publicado pela primeira vez na revista Collier’s, em 1921, o conto foi eternizado no cinema com a atuação de Brad Pitt, que interpreta Benjamin durante toda a vida. Este personagem que vai rejuvenescendo ao longo dos anos levanta uma das maiores questões da humanidade:…