Pular para o conteúdo principal

Resenha | Fazendo meu filme 2 - Paula Pimenta

Fazendo meu filme #2
Editora: Gutenberg
Páginas: 328
Estrelas: ✬✬
Publicado em 2009.



Depois de conquistar milhares de leitores e leitoras, a nossa doce e querida Fani volta ainda mais divertida e encantadora. O segundo volume do livro Fazendo meu filme apresenta as aventuras de Estefânia Castelino Belluz na terra da rainha. Sim, na Inglaterra! Longe do grande amor, ela passa por momentos de alegria, dor, saudade, tristeza e, mais do que isso, pode conhecer melhor a si mesma. Sem deixar de lado suas amigas inseparáveis e sua família, ela consegue, no outro continente, viver momentos cheios de suspense, revelações, aventuras, descobertas e emoções fortíssimas! Feliz, triste, preocupada, ansiosa, temerosa, otimista, insegura, cheia de si, apaixonada, desiludida, seja como estiver, Fani mostra a cada página deste livro que não é mais aquela menina tão frágil que muitas vezes se escondia por trás de sua timidez.

Mais do que a história de uma adolescente que se encoraja a fazer intercâmbio e morar fora por um ano, este livro fala de um grande e delicado amor. Em meio a uma avalanche de sentimentos e acontecimentos surpreendentes, ela consegue viver intensamente na Inglaterra, conhecendo pessoas que conquistam seu coração e sua amizade para toda a vida. Porém, o melhor filme de sua vida ainda está para ser contado, ou melhor, vivido…


Eu gostei bastante do primeiro livro desta quadrilogia e pulei direto para o segundo. Inclusive, quando os li, estava fazendo a I Maratona 12hrs com a minha mãe, então, terminei o primeiro nas primeiras horas e concluí o segundo à medida que o tempo ia passando. Tem resenha do primeiro aqui.

Achei o primeiro livro super divertido e rápido de ler, achei que demonstrava bem essa fase da adolescência e seus dramas. Porém, nesse segundo livro, me irritei demais com a protagonista.

No final do primeiro livro, inicia a história de amor da Fani e do Leo que antecipamos desde o início, entretanto, ela resolveu ir para Londres e fazer o intercâmbio de um ano. O que significa que, justamente agora que os dois se resolveram, vão ter de ficar separados até o ano que vem.

Já de cara fiquei um pouco indignada com a protagonista. Quando ela chega na Inglaterra, por mais fofa que seja sua família, ela dá um piti e quer voltar para o Brasil. Ok, ela é adolescente, mas, nossa, foi chato.

O que a convence a ficar na Inglaterra é que Leo começa a namorar com outra garota. Outracoisa que me irritou. A protagonista só se resolve a ficar na terra da rainha porque seu namoradinho diz que não a quer mais.

Enfim, a história progride, continua esse lenga-lenga, Ao invés de aproveitar sua viagem, Fani fica vidrada no que acontece no Brasil. Ah, e outra coisa que me irritou bastante é o uso da expressão "máquina de retratos". Pelamor --- quem fala máquina de retratos? Não se pode culpar nem a tradução...

Eu vou continuar lendo a série, entretanto, dando a ela o peso que ela merece, não irei mais esperar tanto quanto estava antecipando. Esse segundo não valeu muito a pena, mas o primeiro foi legal, por enquanto o placar está em 1x1.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários! 

Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora: Record Páginas: 220 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977.

Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.