Pular para o conteúdo principal

Resenha | Os Instrumentos Mortais (parte 1)

Eu já contei por aqui que aproveitei as férias e a coleção de livros da mãe para ler a série Os Instrumentos Mortais. Em especial, eu quis ler a série agora para acompanhar a série do Netflix sem medo de spoilers.

Resolvi dividir a série em duas partes, porque a meu ver, são duas trilogias combinadas em uma série. É aquela já velha história, era pra ser trilogia, foi estendida em 6 livros porque fez sucesso. A primeira parte, que vou comentar hoje, introduz o mundo - que é deveras interessante - e os personagens principais. Pretendo falar dos três primeiros livros como um todo, sem dar spoilers, ok?

Então, essa primeira trilogia é composta por Cidade dos Ossos, Cidade das Cinzas e Cidade de Vidro. A personagem principal é a Clary, uma menina comum que mora no Brooklyn com a mãe e convive um pouco demais com seu melhor amigo Simon.

Uma bela noite, eles vão a uma boate e Clary presencia o que ela imagina ser um assassinato. Só que, adivinha? Não era bem um assassinato, era Jace matando um demônio. Assim, ela é introduzida ao mundo dos Caçadores de Sombras.

Os Caçadores de Sombras que Clary conhece, Jace, Isabelle e Alec, apresentam as possibilidades desse novo mundo para Clary. Só que acontece outro pequeno problema, sua mãe é sequestrada por um cara chamado Valentim e aí a história desenrola.

Eu acho que essa série tem um incrível poder de entretenimento, entretanto, tem alguns defeitos graves. Embora o livro seja cheio de "reviravoltas", elas são apenas reviravoltas entre aspas, porque fica bastante claro o que a autora quer fazer no momento em que ela introduz um personagem, uma fala ou uma situação.

A única surpresa que tive lendo o primeiro livro se desenvolve no final do livro e, sinceramente, desde então ficou claro que era uma "mentira" inventada pela autora para dar emoção e são várias e várias páginas até ela se desmentir...

Um outro ponto é que os personagens são fracos. Clary é ao mesmo tempo destemida e mocinha de romances de banca. Jace é o bonitão com grandes sofrimentos no passado. Isabelle é a "super-girl" por causa  de traumas do passado, Alec se envolve com uma pessoa que os pais detestam. Ah, e tem o Simon, meu personagem menos preferido de toda a série, incluindo os vilões - um carinha que abdica de toda a vida e personalidade pela melhor amiga (Jacob 2).

Para concluir, acho que a história dos Caçadores de Sombras é ótima, adorei o mundo e os seus detalhes. Porém, sem surpresa nenhuma e com personagens bastante fracos. Eu gostei de ter lido, porque me diverti bastante e fazia tempo que não lia uma série longa um livro seguido do outro, mas reconheço as falhas da série.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários! Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

  1. EEEEE!! Demorei, mas cheguei! Adorei sua resenha!! Mesmo sendo mega fã da série, os pontos que você levantou são muito verdade, principalmente a questão da "mentira", sempre foi uma das coisas que mais me irritou nos livros da Cassandra, apesar de adorar a escrita dela!
    Acho que tem jeitos muito melhores de impedir um casal de ficar junto! hahaha

    Ahhh que pena que você não gostou do Simon! Adoro ele! Sim, é irritante a questão de "foda-se minha vida porque te amo", mas ele melhora, vai?? hehehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Leituras da Semana #42

Nessa semana tirei do caminho um calhamaço de 800 páginas, Outlander - A viajante do tempo. Que livro bom, envolvente, da categoria é grande, mas é rapidíssimo de ser lido.

Conta a história de Claire, que vive em 1945, salvo engano. Ela é casada, mas passou afastada do marido graças à guerra, quando serviu de enfermeira. Eles estão finalmente indo construir um lar quando, num monumento escocês, um agrupado de pedras bem estranho, ela volta no tempo e reaparece 200 anos antes, na época dos clãs escoceses.

Lá, ela é obrigada a construir uma nova vida, pelo menos até que consiga voltar para o seu próprio tempo. Só que ela acaba envolvida numa outra guerra, e suspeitam que ela seja uma espiã inglesa. Bom, aí a vida complica. Mas ao mesmo tempo, ela conhece Jamie ♥ e até que não fica tão difícil assim viver sem banhos quentes.

Gostei muito do livro, acho que ele é super abrangente em temáticas, tem diálogos interessantes e engraçados e por mais que seja longo, as páginas foram bem explorad…