Pular para o conteúdo principal

Branca de Neve e Branca dos Mortos

Eu adoro releituras de contos de fadas e um dos filmes que mais via quando criança era o da Branca de Neve. Agora, conheço três versões deste mesmo conto.

A da Disney, com direito a final feliz e um príncipe encantado salvando o dia. Um vestido com mangas pufantes e passarinhos que cantam junto.

A versão ilustrada, nesta linda edição da Geração Editorial, escrita pelos irmãos Grimm. Vale a pena comprar esse livro para admirar, mesmo que você não goste do conto, porque são obras de arte. Num estilo meio gótico, até a Branca parece meio "do mal". Além disso, é super rápido de ler, eu li enquanto esperava a água do mate esquentar...

Conheço também a versão feat. zumbis do conto. Let's just say que é uma releitura com licença poética bem expandida. O autor explorou o conto original e modificou bastante coisa. Inclusive, com a "mocinha" tendo atitudes bem maléficas.
Nesta edição de Branca dos Mortos e os Sete Zumbis de Fábio Yabu, além da história da Branca, o autor reconta outros contos clássicos todos com um tom bem macabro. Ah, e também tem ilustrações lindas.

A história da Rapunzel ou Samarapunzel é simplesmente doentia! Eu acreditava que seria algo semelhante a Orgulho e Preconceito e Zumbis (que eu li e adorei!), mas não, é mais puxado pro terror mesmo, embora conte com momentos de humor.

Também, é impressão minha ou os contos se interligam? Fica a dúvida para vocês que leram o livro também.

Pessoalmente, eu adoro contos de fadas e suas releituras. Adoro coletâneas assim. Definitivamente, ambos os livros merecem recomendação.

Você gosta de releituras de contos de fadas? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!
Instagram | Skoob | Twitter | Youtube



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…