Pular para o conteúdo principal

Leituras da Semana #36

Nesta semana quebrada de fim de 2015 e início de 2016, eu consegui cumprir minha meta do ano reajustada. Eu já contei pra vocês que minha meta original para 2015 eram 156 livros, em outubro, atingi a meta e fui seguindo, até que, em meados de novembro, eu percebi que talvez conseguisse chegar em 200 livros lidos.

No dia 31 de dezembro, concluí certinho em 200 livros lidos. Dentre as últimas leituras do ano, estava Cidade das Cinzas. Nem contei ainda por aqui que comecei a ler Os Instrumentos Mortais da Cassandra Clare. Eu só quero adiantar que: 1) A autora não tem a menor noção de como fazer suspense e surpreender o leitor e; 2) A única vez que ela me surpreendeu, com o final do primeiro livro, foi simplesmente horrível e óbvio que ela estava enganando o leitor para fazer charminho.

Isso dito, eu preciso dizer que os primeiros três livros da série, que são os que já li, são extremamente divertidos. É aquilo, não leia pela surpresa e sim, pela diversão. Sem pretensões e expectativas. Aliás, o Cidade de Vidro foi o último livro lido do ano. Iei! Comecei a semana terminando Cidade das Cinzas e concluí o ano com Cidade de Vidro.

Eu li também a edição ilustrada de Branca de Neve, absolutamente linda! E li O Fantasma de Canterville e outras histórias, do Oscar Wilde.

O Fantasma de Canterville é hilário e uma crítica forte aos costumes ingleses, aos americanos, às histórias de fantasmas, entre tantas outras, incluindo as que provavelmente perdi. Recomendo fortemente a leitura! Alguns outros contos desta edição não são tão legais assim, mas o que dá o nome ao livro e o último conto, que conta a história de um homem que foi "diagnosticado" por um quiromante como quem cometeria um crime e as consequências que isso traz na sua vida, são excelentes. 

Este conto que refiro se chama O crime de Lorde Arthur Savile e nele encontram-se também críticas fortes, além de ser engraçado pela ironia que carrega.

E sobre o Branca de Neve, eu deixo a ilustração abaixo. Se ela não o fizer cobiçar este livro com todas as suas forças, bom, então nada do que eu escreva o convencerá da beleza deste conto.



E como primeiro livro do ano, terminei de ler Branca dos Mortos e os Sete Zumbis de Fábio Yabu. Um livrinho certamente macabro e assustador, assim como engraçado e divertido. Creio que no mundo do autor não existem mocinhos, todos os personagens ganham um tom meio sinistro e vilanesco. Gostei bastante da coletânea. Acredito que o conto da menina dos fósforos permanecerá me assombrando.

Eu estou em férias até o dia 18/01, então, estou aproveitando para ler os livros da mãe, todos esses títulos são dela. A impressão que eu tenho é que cada vez que risco um livro dela da minha lista de "por ler", outros três surgem no lugar. Mas, a tentiada é livre e enquanto puder, vou lendo.


O que você tem lido? Já leu algum destes títulos ou pretende ler?
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…