Pular para o conteúdo principal

HQ | Azul é a Cor mais Quente

Editora: Martins Fontes
Páginas: 160
Estrelas: ✬✬✬
Skoob


Clementine é uma jovem de 15 anos que descobre o amor ao conhecer Emma, uma garota de cabelos azuis. Através de textos do diário de Clementine, o leitor acompanha o primeiro encontro das duas e caminha entre as descobertas, tristezas e maravilhas que essa relação pode trazer.Em tempos de luta por direitos e de novas questões políticas, "Azul é a Cor Mais Quente" surge para mostrar o lado poético e universal do amor, sem apontar regras ou gêneros.

Eu não tenho o costume de ler HQs, mas nunca é tarde para começar, certo? Quando esta edição foi lançada no Brasil, fiquei curiosa para conferir e aproveitei para ler agora. 


Essa é a história de Clementine, e logo de cara, sabemos que ela vai morrer. Pois ela deixa seu diário para Emma, que resgata as memórias de ambas ao longo da história.

Clementine é adolescente, se descobrindo, e numa dessas reviravoltas da vida, se descobre homossexual. Começa a sofrer com o preconceito por sua sexualidade, inclusive o próprio, ela tem dificuldade em se aceitar.
Mas com a ajuda de Emma e seus cabelos azuis, Clementine consegue se aceitar e ambas vivem uma história de amor. Porém, é uma história triste, tanto pelo final doloroso, mas também na sua construção.

Ambas as personagens tem conflitos internos para resolverem antes de decidirem ficar juntas. E o tempo que lhes resta é pouco para viver o grande amor que têm.

Sobre o desenho, ressalto que não sou expert, mas as personagens ficaram um tanto masculinizadas, a meu ver. Não gostei da forma como as pessoas foram desenhadas. Mas gostei de como foi retratado o sexo, com imagens que me deixaram tímida, sim, mas que foram delicadas.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Dei de presente essa HQ em amigo secreto literário e ainda não li! =´[ Morrendo de vontade, ainda mais porque o filme fica pipocando toda hora no Netflix para eu ver! Aliás c já viu? Cadê resenha? #achata kkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro