Pular para o conteúdo principal

HQ | Azul é a Cor mais Quente

Editora: Martins Fontes
Páginas: 160
Estrelas: ✬✬✬
Skoob


Clementine é uma jovem de 15 anos que descobre o amor ao conhecer Emma, uma garota de cabelos azuis. Através de textos do diário de Clementine, o leitor acompanha o primeiro encontro das duas e caminha entre as descobertas, tristezas e maravilhas que essa relação pode trazer.Em tempos de luta por direitos e de novas questões políticas, "Azul é a Cor Mais Quente" surge para mostrar o lado poético e universal do amor, sem apontar regras ou gêneros.

Eu não tenho o costume de ler HQs, mas nunca é tarde para começar, certo? Quando esta edição foi lançada no Brasil, fiquei curiosa para conferir e aproveitei para ler agora. 


Essa é a história de Clementine, e logo de cara, sabemos que ela vai morrer. Pois ela deixa seu diário para Emma, que resgata as memórias de ambas ao longo da história.

Clementine é adolescente, se descobrindo, e numa dessas reviravoltas da vida, se descobre homossexual. Começa a sofrer com o preconceito por sua sexualidade, inclusive o próprio, ela tem dificuldade em se aceitar.
Mas com a ajuda de Emma e seus cabelos azuis, Clementine consegue se aceitar e ambas vivem uma história de amor. Porém, é uma história triste, tanto pelo final doloroso, mas também na sua construção.

Ambas as personagens tem conflitos internos para resolverem antes de decidirem ficar juntas. E o tempo que lhes resta é pouco para viver o grande amor que têm.

Sobre o desenho, ressalto que não sou expert, mas as personagens ficaram um tanto masculinizadas, a meu ver. Não gostei da forma como as pessoas foram desenhadas. Mas gostei de como foi retratado o sexo, com imagens que me deixaram tímida, sim, mas que foram delicadas.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Dei de presente essa HQ em amigo secreto literário e ainda não li! =´[ Morrendo de vontade, ainda mais porque o filme fica pipocando toda hora no Netflix para eu ver! Aliás c já viu? Cadê resenha? #achata kkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever