Pular para o conteúdo principal

Resenha | Os Adoráveis - Sarra Manning

Editora: Novo Conceito
Páginas: 384
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2012 com o título de Adorkable

Jeane é blogueira. Seu blog, o Adorkable, é um blog de estilo de vida — na verdade, o estilo de vida dela — e já ganhou até prêmios na categoria “Melhor Blog sobre Estilo de Vida” pelo e Guardian e um Bloggie Award. Adora balas Haribo, moda (a que ela cria, comprando em brechós) e colorir (ou descolorir totalmente) os cabelos. Cheia de personalidade e meio volúvel, ainda assim Jeane é bacana — mesmo nos momentos em que se transforma numa insuportável. Mas, certamente, ela não olharia duas vezes para Michael. Porque Michael é o oposto de Jeane. Ele é o tipo de cara que namoraria a garota mais bonita da escola. E compra suas roupas na Hollister, na Jack Wills e na Abercrombie. Além disso, diferente de Jeane, que é autossuficiente, Michael é completamente dependente do pai, o Clínico Geral que condena açúcar, e ainda permite que sua mãe compre suas roupas! (Embora, para Jeane, o pior mesmo sobre Michael é que ele baixa música da internet e nunca paga por isso). Jeane e Michael têm pouco em comum, além de algumas aulas e uma maçante dupla de “ex” — Scarlett e Barney. Mas, apesar disso, eles não conseguem se desgrudar desde que ¬ ficaram pela primeira vez.



Esse livro foi lido para o Desafio Fuxicando sobre Chick-Lits, cumprindo o item "Ler um chick-lit com um casal na capa".

Como começar? Esse livro tem tantos aspectos adorkables *.*

Além de blogueira, nossa protagonista é uma dork. Peculiar desde sua base familiar até seu estilo de vestir e cabelo. Quando iniciei a leitura, me irritei bastante com a personagem, e a raiva se manteve até o final da leitura, mas foi aquela raivinha de amor, sabe? 

Ela está namorando com um cara completamente errado para ela, completamente sem graça, se compararmos suas personalidades. Aquele tipo de namoro que acontece porque as partes são amigas e acabam confundindo os sentimentos. Enfim - graças! - eles terminam, porque aparentemente ele está se envolvendo com uma outra menina.

Já Michael, o protagonista masculino da história, está namorando com a garota que o namorado da Jeane está se envolvendo! História feita, os dois acabam conversando, dadas as circunstâncias e se apaixonam, aos poucos, pela babaquice alheia.

Esse livro é um romance adolescente, na sua base. Mas é tão bem escrito, com personagens tão reais (e irritantes!) e divertido. São muitas histórias para essas quase 400 páginas, sendo desenvolvidas em vários "fronts". 

Além do romance, tem todo o aspecto do blog da Jeane, que é referência dork na internet, dando oportunidades até dela palestrar em outros países. Como blogueira, foi bem divertido ter essa conexão com a personagem.

Concluindo, adorei ter lido. É um chick-lit adolescente, estilo aborrescente, muito fofo. Intercala as narrativas femininas e masculinas e se passa na Inglaterra. Não sei o que mais dizer para convencer alguém em lê-lo.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever