Pular para o conteúdo principal

Resenha | Jane Austen, a vampira - Michael Thomas Ford

Jane Fairfax #1
Editora: Lua de Papel
Páginas: 304
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2009 com o título de Jane Bites Back

Segundo este livro, a autora de "Orgulho e Preconceito" e outros clássicos do século XVIII não morreu, mas vive hoje numa cidadezinha no interior do estado de Nova York. Dona de uma livraria, vive frustrada por não receber os direitos autorais e ter o reconhecimento de suas obras de sucesso. Em "Jane Austen - A Vampira", ela mudou o sobrenome para Fairfax e sobrevive há 233 anos, porque foi mordida por um vampiro, quando se tornou imortal. Entre romances com o Lord Byron, que também é um vampiro, e tentativas frustradas de publicar um novo livro, Jane Austen, ou melhor, dizendo, Jane Fairfax, envolve o leitor em uma divertida viagem ao universo literário, com personagens de outras histórias, de maneira inteligente e divertida!

Já não é segredo para ninguém minha predileção por livros que envolvam a obra da Jane Austen, em especial os chick-lits que eles inspiram. Adoro Bridget Jones, Austenlândia, Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen, entre outros - sem nem mencionar a lista de livros similares que quero ler.

Quando chega este livro - aliás, devidamente sequestrado da estante da minha mãe, na verdade, tive que trocar pela minha caneca do Star Wars... enfim, depois de admirar essa capa linda e ler a sinopse, fui fisgada.

Jane Austen, numa loucura amorosa temporária, é transformada em vampira pelo Lorde Byron. Hoje, ela vive numa cidadezinha, dona de uma livraria e tenta publicar um texto seu, antigo, que ficou na gaveta. Hoje ela vive com o nome de Jane Fairfax.

Acontece que, quando da publicação, surge a denúncia de que esse trabalho de trataria de um plágio de uma das irmãs Brontë. Lorde Byron resolve reaparecer também, tenta reconquistar a Jane. Enquanto isso, ela tenta começar um romance com um morador local e conta tudo para sua melhor amiga, que também é funcionária da livraria.

Ou seja, é um livro recheado de conteúdo. Como chick-lit, surpreende por ser escrito por um homem, só tinha lido um outro livro do gênero escrito por um homem, que foi O Projeto Rosie.

Esse é o primeiro livro de uma série, porém, devo dizer que não vejo perspectivas de publicação dos outros livros da série aqui no Brasil por enquanto. Este primeiro foi publicado em 2010 e não consegui contato com a editora para saber dos planos de publicação dela.

É uma pena, pois gostei bastante do livro. Achei que a trama ficou crível e original, gostei do envolvimento de outras personalidades da literatura e do ritmo do livro como um todo. É um chick-lit gostoso de se ler, ótimo para fãs de Austen.

Esse livro foi lido para o desafio Fuxicando sobre Chick-Lits de 2015, proposto pela Aione, do blog Minha Vida Literária, cumprindo o item "Ler um chick-lit que foi publicado entre 2005 e 2010 no Brasil".


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | As Florestas do Silêncio - Emily Rodda

Deltora Quest - Livro 1 Editora : Fundamento Páginas : 104 Estrelas :  ✬ ✬ ✬ ✬ Skoob Publicado originalmente em 2000 com o título de The Forests of Silence O maligno Senhor das Sombras está tramando invadir Deltora e escravizar o seu povo. Há somente uma coisa que o impede: o mágico Cinturão de Deltora com suas sete pedras preciosas de fantástico e misterioso poder. Quando as pedras são roubadas e escondidas em locais sombrios e terríveis em todo o reino, o Senhor das Sombras triunfa e Deltora está perdida. Em segredo, com apenas um mapa desenhado à mão para guia-los, dois estranhos companheiros saem numa perigosa busca. Determinados a encontrar as pedras perdidas e livrar seu país do tirano, eles lutam para atingir sua primeira meta - as sinistras "Florestas do Silêncio".

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro