Pular para o conteúdo principal

Resenha | Prodigy - Marie Lu

Legend #2
Editora: Rocco
Páginas: 304
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2013 com o título de Prodigy

Considerada pelo público e pela crítica internacional uma das melhores sagas de distopia já publicadas, a trilogia Legend, da chinesa radicada nos EUA Marie Lu, conquistou leitores de diversas partes do mundo ao acompanhar o romance improvável entre dois jovens de origens distintas numa realidade opressora. Depois de descobrir, no primeiro livro da série, as medidas extremas que o governo da República é capaz de adotar para proteger alguns segredos, no segundo volume da saga, Prodigy, June e Day assumem a tarefa de assassinar o novo líder político da nação. Mas será que este é o melhor caminho de levar a cabo uma revolução e dar voz ao povo da República?



Você pode ler a resenha de Legend aqui. Esse é o segundo volume da série escrita por Marie Lu. Eu tive alguns problemas com esse livro, mas acredito que tenham sido por leitura na hora errada.

É por isso que acredito que devamos seguir o humor em que estamos para cada história - e é por isso também que leio vários livros ao mesmo tempo.

A perspectiva em dois tempos continua nesse livro, entre o Day e a June. Que fugiram da locação em que estavam, ajudados pela organização anti-governo que os auxiliou na fuga do Day. Para recompensá-los por esta ajuda, ambos, agora, devem participar do homicídio do imperador que vai assumir a nação com a morte de seu pai.


Mais uma vez, os protagonistas se dividem para cumprir com o plano. Só que... a medida que as coisas vão acontecendo, novas teias de conspiração vão sendo reveladas. E as coisas se mostram mais difíceis ainda.

Um dos pontos fortes do livro é que, como já sabemos, o mundo é dividido, e nesse volume, vamos às colônias. E de novo, a dualidade das perspectivas é fascinante. Porque, enquanto no primeiro livro tínhamos a perspectiva das grandes capitais, nas colônias, vemos uma outra visão de mundo.

Temos a oportunidade de escolher qual é melhor ou ainda, de não saber qual é pior. Pois o ideal prometido, do que seriam as colônias, não permanece por muito tempo.

Então, eu gostei um pouco menos desse livro, mas acredito que em grande parte foi pelo momento da leitura. Ainda assim, essa é uma trilogia que vale a leitura.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever