Pular para o conteúdo principal

Leituras da Semana #11


Diferente do que vinha fazendo, resolvi fazer o leituras da semana em post. Essa pequena pilha acima é a pilha de livros lidos nessas últimas semanas. Vem conferir!




Começando com dois romances. Cinderela Pop foi uma decepção gigantesca! É uma cópia do conto disponível no Livro das Princesas, com pequenas adições. Eu esperava que fosse uma continuação daquela história, ou mesmo, uma maior adaptação da história. Porém, é cópia e me decepcionou muito!

Para Sir Phillip, com Amor me encantou, como todos os outros romances da Julia Quinn da série Os Bridgerton. Esse é o quinto volume e conta a história de Eloise. Continua muito amor <3


Eu sou brasileira e continuei a leitura de Maze Runner, agora com o livro extra Ordem de Extermínio. Mais um livro que não me deixou saber se o vilão é vilão mesmo. Mais um livro com um personagem protagonista pouco cativante. Melhor parte: epílogo de 2 páginas.

Cinder é outra história. Uma releitura do conto da Cinderela (nem notei que acabei lendo dois livros sobre essa temática na mesma semana) que se passa no futuro, com robôs e andróides e comunicação intergaláctica. Gostei muito dessa leitura, que é ao mesmo tempo semelhante ao conto original e muito diferente.


Estes dois pequenos livros foram boas leituras também. O Dominó Preto é um livro de contos da Florbela Espanca. Quase todos tem como temática mulheres. São contos curtos mas que cativam o leitor. Gostei bastante!

O Sal da Vida é um listão de coisas pelas quais vale a pena viver. Não conte com uma história ou que a autora faça reflexões. Ela lista coisas que a fazem feliz e a reflexão fica a cargo do leitor. Um livro bom de ser lido quando estiver um pouco pra baixo.


Com essa capa estonteante, li Jane Austen, a vampira. Que já saiu resenha, veja aqui. Um chick-lit super gostosinho.


Continuei a leitura da trilogia Legend, com o segundo volume, Prodigy. O livro é bom, mas eu acho que não estava no clima certo para fazer essa leitura, sabe? Ele tem um enredo bem interessante, e mantém o padrão do primeiro livro, mas não me empolgou. Acredito que deveria ter esperado um tempo e ficar mais no humor distópico para lê-lo.

Ufa, essas foram as leituras das últimas duas semanas, se não me engano. Foi bastante coisa, e bastante coisa boa. Eu não sei se vou continuar a fazer vídeos, portanto, na próxima semana, aguardem post também sobre as leituras.

O que você tem lido? Deixe nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever