Pular para o conteúdo principal

Resenha | Grande Irmão - Lionel Shriver

Editora: Intrínseca
Páginas: 336
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2013 com o título de Big Brother

Pandora é uma empreendedora bem-sucedida que vive em Iowa com o marido, Fletcher, um homem de temperamento irritadiço, que nunca consegue relaxar. Edison, irmão de Pandora, antes um conhecido pianista de jazz em Nova York, está completamente falido, sem ter onde morar. Contrariando o marido, Pandora envia uma passagem aérea para o irmão e abre sua casa para hospedá-lo. Depois de quatro anos sem se encontrarem, ela quase não o reconhece quando vai buscá-lo no aeroporto e depara com um homem mais de cem quilos acima do peso. Em casa, os hábitos desleixados de Edison criam um enorme desconforto para Fletcher, até que Pandora decide se comprometer com o emagrecimento do irmão e abdica de tudo para ajudá-lo.
Construído com a inteligência e a força impactante de Lionel Shriver, Grande irmão é um livro sobre um assunto ao mesmo tempo social e dolorosamente íntimo. Shriver mostra, sem rodeios, como a obesidade grave pode atingir uma família de modo devastador e nos faz questionar se é possível proteger as pessoas que amamos delas mesmas.


Eu ganhei este livro num sorteio do PsychoBooks, depois de ter ficado interessada na resenha que as meninas postaram por lá. No blog você pode encontrar a resenha de Precisamos Falar sobre o Kevin, da mesma autora. 

O tema principal do livro é a obesidade, mas não de uma maneira fofinha como em My Mad Fat Diary, nele a obesidade é tratada de uma maneira mais "séria", do ponto de vista de como ela afeta a vida do obeso e dos ao seu redor.

Afinal, Edison não é gordinho, ele é obeso mesmo. Depois de passar quatro anos sem ver sua irmã, ela não o reconhece. Passou da fase do gordinho fofo e tornou-se problema grave. Desde locomoção, até quebrar cadeiras ao sentar, comer descontroladamente, ao ponto de Pandora e sua família terem de mudar os móveis de lugar para que o Edison pudesse passar.

Esse retrato é real. E falo isso com conhecimento de causa, já fui obesa. A maldade das pessoas com a pessoa gorda é cruel mesmo, afinal, obesidade não é doença, é desleixo! Para emagrecer é só fechar a boca! Uhum, vai nessas... É claro que como o personagem sofre de obesidade mórbida, o preconceito é elevado ao máximo, porém, ele inicia bem antes.

A história vai tomando seu rumo a partir da obesidade do Edison. Mas o interessante de acompanhar é o desenvolvimento dos outros personagens também. Pandora, que é a narradora, tem uma empresa que fabrica bonequinhos que dizem as frases chavões de cada pessoa, até hoje noto minhas frases-referência e atento para o que o meu bonequinho diria.

O marido da Pandora, Fletcher, é um dos personagens mais chatos que eu já li. Não que ele seja mal escrito, o que quero dizer é que ele é um cara chato, ele é daqueles maníacos por comida saudável e foi quem mais expressou seu desprezo pela obesidade do Edison. Não bastasse, ele tem ciúmes do irmão -.- eu pediria o divórcio.

O final desse livro - gente - não tem como esquecer. Claro que não vou contar, mas foi cruel com o meu coração também, além de ser indignante. Como a Lionel pode fazer isso?

O livro fica atrás de Precisamos Falar sobre o Kevin, mas ainda assim, gostei bastante. O relato que ela faz da obesidade ficou muito próximo da realidade, o que me cativou.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Não conhecia o livro, mas achei a história bem interessante, gosto de livros que abordam temas como esse.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, é um livrão com um final surpreendente! Vale a leitura ;)

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever