Pular para o conteúdo principal

Resenha | Reconstruindo Amelia - Kimberly McCreight

Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2013 com o título de Reconstructing Amelia


Kate Baron, uma bem-sucedida advo­gada, está no meio de uma das reuniões mais importantes de sua carreira quando recebe um telefonema. Sua filha, Amelia, foi suspensa por três dias do Grace Hall, o exclusivo colégio particular onde estuda. Como isso foi acontecer? O que sua sensata e inteligente filha de 15 anos poderia ter feito de errado para merecer a punição?Sua incredulidade, no entanto, vai aos poucos se transformando em pavor ao deparar, no caminho para o colégio, com um carro de bombeiros, uma dúzia de policiais e uma ambulância com as luzes desligadas e portas fechadas.Amelia está morta.Aparentemente incapaz de lidar com a suspensão, a garota subiu no telhado e se jogou. O atraso de Kate para chegar a Grace Hall foi tempo suficiente para o suicídio. Pelo menos essa é a versão do colégio e da polícia.Em choque, Kate tenta compreender por que Amelia decidiu pôr fim à própria vida. Por tantos anos, as duas sempre estiveram unidas para enfrentar qualquer problema. Por que aquele ato impulsivo agora?Suas convicções sobre a tragédia e a pró­pria filha estão prestes a mudar quan­do, pouco tempo depois do funeral, ela recebe uma mensagem de texto no celular:Amelia não pulou.Alternando a história de Kate com registros do blog, e-mails e posts no Fa­cebook da filha, Reconstruindo Amelia é um thriller empolgante que vai surpreender o leitor até a última página.


Eu vou dizer pra vocês o que eu disse para minha mãe sobre esse livro, não leia se estiver sensível ao tema. O que eu quis dizer é que da perspectiva de mãe, essa história deve doer muito.

Amelia foi criada sozinha pela mãe, que é uma advogada de sucesso, e ambas criaram aquele tipo de relacionamento que todo mundo quer com os pais, de amizade e companheirismo. Já de cara, me identifiquei - oi, mãe!

Com a suspensão e suicídio de Amelia, a Kate não sabe bem o que fazer. Ela não tinha ideia de que a filha seria capaz de se matar, mas por um tempo até acredita nisso. Até que recebe uma mensagem, "ela não pulou".

Então, o livro é contado da perspectiva de Kate e intercalado com as várias mídias que um adolescente usa hoje em dia, como Facebook. Ela acaba descobrindo toda uma parte da vida de Amelia que passou desapercebida por ela.

A história que é simples de início, começa a ter várias outras histórias paralelas se desenvolvendo. Como o pai da Amelia, muito tem a ser dito sobre isso. Também, sobre sua relação com os amigos e a escola. Uma blogueira muito chata, que se dedica a fofocas do colégio - aliás, bem surpreendente esse desenvolvimento.

Mas, assim, se eu, sendo filha, já achei dolorido de ler. Imagina na perspectiva de uma mãe? E a mãe da Amelia ficou muito bem caracterizada, sofri junto com ela. Você, mãe, que está me lendo, não leia esse livro quando estiver sensível! Sério, pode ser traumatizante.

É uma história muito legal, bem desenvolvida, diferente e aborda muito mais do que uma sinopse poderia dizer. É um livro que valeria a pena contar spoilers, mas não farei isso. Gostei bastante do uso das mídias sociais no livro também, é legal ver livros que dão ênfase a essa parte da nossa vida - por que, não sei vocês, mas eu ligo o computador assim que acordo e só desligo de noite quando vou dormir, não sei viver sem.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Vou esperar o momento certo para ler, então, filhotinha.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Rafa!
    Eu li "Reconstruindo Amelia" e gostei principalmente da metade Amelia da história. Achei interessante como a autora conseguiu mesclar o drama vivido pela mãe que perdeu a filha com o suspense do que aconteceu com a menina, além de todos essas histórias paralelas que você citou.
    Não chegou a ser um livro que me marcou, mas você tem razão quando diz que não deve ser uma leitura fácil para uma mãe.
    Beijos
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie! Também não foi um livro marcante no meu ano de leituras, mas ele tem um toque bem diferente. Gostei! Essa mescla que vc fala fica muito interessante no papel.

      Beijão!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen - Cora Harrison

Editora: Rocco
Páginas: 320
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2010 com o título de I Was Jane Austen's Best Friend

Chega ao Brasil o livro: "Eu fui a Melhor Amiga de Jane Austen" da autora Cora Harrison. A história tem o objetivo de introduzir os mais jovens ao empolgante mundo dos livros de Jane Austen. O livro traz uma combinação entre fatos históricos e ficção, apresentando a relação entre as adolescentes Jane Austen e sua prima Jenny Cooper.

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.