Pular para o conteúdo principal

Resenha | Nicolau São Norte e a Batalha contra o Rei dos Pesadelos - William Joyce

Os Guardiões #1
Editora: Rocco
Páginas: 232
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2011 com o título de Nicholas St. North and the Battle of the Nightmare King


Em Nicolau São Norte, primeiro livro da série Os Guardiões, William Joyce conta a verdadeira história de ninguém menos que Papai Noel, que, muito antes de ser São Nicolau (ou Santa Claus), era conhecido como Norte, um destemido espadachim e notório fora da lei. Na história, que traz charmosas ilustrações em preto e branco, somente quando vilões verdadeiros entram em cena Norte encontra outro uso para suas famosas habilidades de lutador, transformando-se no herói adorado por crianças do mundo inteiro.

Eu conheci esse livro em um vídeo da Michelle Borges, me apaixonei e comprei para ler no Natal de 2014. Consegui lê-lo nessa época natalina, porém, a resenha só saiu agora.

A proposta dessa série é recontar mitos como Papai Noel, Coelhinho da Páscoa e Fada dos Dentes. Nesse primeiro volume, seria a história do Papai Noel, porém, acho que o autor desviou bastante do mito original que ficou até irreconhecível.

A história começa contando sobre Ombric, um mago muito sábio, um antigo morador de Atlântida, que estava a procura de um lugar onde pudesse estabelecer um vilarejo. Esculpiu sua casa numa árvore, chamada Troncuda, que se modifica de acordo com as necessidades de seu morador. Seu objetivo é estimular as crianças a aprenderem além do impossível, sem limites, incita sua curiosidade.

Enquanto isso, Nicolau São Norte é um ladrão, arruaceiro, que fica bebendo em busca de ouro. Até que em um sonho, recebe a indicação de um lugar onde encontraria um enorme tesouro e cavalga até lá com seus companheiros. Esse lugar é Popoff Noelen, o reino de Ombric.

Quando Nicolau chega lá, depois de passar pelos desafios de proteção do mago Ombric, encontra crianças em perigo. As ajuda e a partir dai a história de desenvolve.

Eu quero morar em Popoff Noelen. Um lugar onde o conhecimento é estimulado, onde magia existe e não existe mal. Queria viver na Troncuda e ficar por ali, só lendo e aprendendo, sendo curiosa.

O livro é infanto-juvenil, então, a história não tem muitos requintes. Porém, como um livro de aventura, é ótimo. Meu único porém foi não ter identificado no Nicolau, o Papai Noel. Não é um livro natalino como eu esperava que fosse.

É um livro excelente para crianças. Ele tem uma diagramação bem grande e tem vários desenhos ao longo da história. Eu estou louca para ler o segundo, que trata do Coelhinho da Páscoa. Espero ver mais desse mundo e desvendar alguns mistérios que esse deixou para trás.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever