Pular para o conteúdo principal

Resenha | Quatro - Veronica Roth

Editora: Rocco
Páginas: 272
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2014 com o título de Four

Reunindo quatro histórias da série Divergente contadas da perspectiva do personagem Tobias, e três cenas exclusivas, Quatro Histórias da série Divergente oferece aos fãs da saga criada por Veronica Roth a chance de conhecer melhor a personalidade de um personagem fascinante e complexo e a chance de mergulhar mais fundo na sociedade dividida em facções criada pela autora.

Depois de assistir ao filme de Divergente, morri de saudades desse mundo que tanto me encantou. Quando pensava em reler a trilogia, lembrei deste livro. E ele matou minha saudade ♥

Você pode conferir as resenhas de Divergente, Insurgente e Convergente, aqui no blog. Enquanto o primeiro foi amor, o segundo foi um pouco menos e o terceiro, bom, o terceiro ainda quero dar uma chance para ler a tradução, já que li no original da primeira vez.

Eu detestei ler a perspectiva do Quatro em Convergente, talvez por isso, fui sem sede ao pote com esse livro, de início nem me interessei por ele. Quando iniciei a leitura, me surpreendi ao gostar muito dos contos. Talvez pelo distanciamento com a perspectiva da Tris, a do Quatro não soou tão similar e feminina.

O primeiro conto fala sobre a escolha de Quatro pela Audácia, o início dos seus 4 medos, a história com o pai abusivo. Já o segundo, é sua iniciação, com o início da sua relação com o Erik. O terceiro fala sobre sua relação com sua mãe. E o quarto, quando ele trai a Audácia, seu primeiro beijo com a Tris e outras coisinhas.

Foi tão bom revisitar o cenário, a iniciação. Coisas que já sabemos como funciona, porém, diferentes pois são as experiências que o Quatro passou. A iniciação no seu tempo era diferente, menos maldosa, e ficamos sabendo como e quando ela ficou sanguinária, eliminando os mais fracos. As coisas em Chicago já estavam ruins antes mesmo de Divergente e é isso que os contos nos mostram. 

Ao final do livro, tem pequenos textos sobre a relação do Tobias com a Tris, que eu achei totalmente desnecessários. São coisinhas que não servem para nada, não adicionam em nada, quase repetecos do que já foi lido. Páginas desperdiçadas, na minha opinião.

Gostei bastante de ler esse livro, principalmente para relembrar do porquê de gostar tanto dessa trilogia. Recomendado para quem se encontra na mesma situação em que eu estava, de saudades da série, ou para amantes da trilogia, no geral.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Seja parceiro do blog, siga no Google Friend Connect.



Comentários

  1. eu só li o primeiro livro da trilogia, mas pretendo ler o segundo quando tiver mais perto do lançamento do filme... não acho que seja a melhoooor distopia do mundo, tem muitas falhas e tal, mas o enredo é bem intrigante. Quanto aos contos acho que nunca lerei hahaha se bem que eu gosto muuuuito mais do Quatro do que da Tris. como voce falou, a narrativa dela é bem feminina e tal e acho meio clichê...
    beijos!

    www.vanessachanice.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, a melhor distopia que li até agora com certeza é 1984, mas Divergente é divertido haha
      Eu também não pretendia ler os contos, mas né, deu saudades hehe

      Beijos!

      Excluir
  2. Four também foi minha retomada por saudades da trilogia.. Também n gostei da visão dele em convergente, nao conseguia ver a diferenca entre ele e a Tris..
    Mas adorei os contos tanto quando o primeiro livro da trilogia..
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também! Reapaixonei pelo Four haaha

      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…