Pular para o conteúdo principal

Resenha | Mate-me quando quiser - Anita Deak


Editora: Gutenberg
Páginas: 248
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado em 2014.


Decidindo que sua vida deveria chegar ao fim, mas sem coragem de cometer suicídio, uma mulher contrata Soares, um matador de aluguel. Resolve que sua morte acontecerá na bela cidade de Barcelona, e para isso envia ao seu futuro algoz a passagem de avião e o endereço de onde ficará na Espanha. Ele deverá matá-la no prazo de quatro meses, quando for mais conveniente. Junto com o pagamento, manda também uma foto sua, para que ele saiba quem ela é. Mas ela não quer saber como é a aparência de seu matador. O destino, porém, nem sempre cumpre à risca os planos que costumamos traçar para ele.


Este é um daqueles livro com título fantástico, não? Assim que o conheci, morri de vontade de ler. Além do título, a capa é linda e a quarta capa em formato de postal, me encantou.

Ao contrário do que possa parecer, o livro não trata dos motivos que levaram a personagem principal a decidir terminar com a própria vida, pelo menos, essa não é a temática principal. O que acontece neste livro é mais curioso.

Ao chegar em Barcelona, seu decidido local de morte, a personagem vai a um café e acaba curiosa com a vida de um dos homens lá presentes, o segue e, naquelas reviravoltas da vida, torna-se amiga da mulher deste homem.

Ou seja, a personagem acaba entrando no drama deste homem. Que é casado e tem um filho, mas que também tem uma amante. E vive a vida dividido nas duas rotinas, tentando conviver com ambas as mulheres, que não sabem uma da outra.

Ainda, seu assassino a segue enquanto ela persegue o triângulo. Então, o livro, na verdade, trata bastante dos julgamentos que fazemos da vida das outras pessoas, pois acompanhamos tanto as impressões que a personagem-suicida tem a respeito do relacionamento do homem misterioso, como as impressões do assassino ao ver sua vítima perseguindo estas pessoas. Confuso? Mas na verdade não é. É interessante e gostoso de ser lido.

Embora o livro não tenha seguido a temática que eu acreditei que ele iria, eu gostei muito da leitura. É um livro diferente e traz sentimentos muito variados, seja a depressão da personagem, as angústicas do assassino, o grande amor entre os membros do triângulo, tristeza por algumas cenas que acontecem (especialmente perto do final). 

Ah, e é daqueles em que nenhum ou quase nenhum personagem é nomeado, o que eu adoro! Acredito que sem a barreira do nome, podemos nos enxergar melhor nos personagens, nos colocar em seus lugares. Creio que somente o assassino e o dono da cafeteria sejam nomeados no livro, mas posso ter deixado passar alguma coisa.

Portanto, eu gostei muito da leitura e recomendaria para quem se interessou. Seja pela história, pelos personagens ou pelas "viagens" que a temática acaba trazendo ao leitor.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…