Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Mistério dos Deuses - Bernard Werber


O Ciclo dos Deuses #3
Editora: Bertrand
Páginas: 530
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 2007.


No volume final da trilogia O Ciclo dos Deuses, Michael Pinson continua sua saga em busca dos maiores mistérios do universo. Depois de descobrir o que há no alto da montanha, ele retorna à Ilha de Aeden para disputar a final do jogo das divindades, que conta apenas com os 12 alunos-deuses sobreviventes. Mais do que nunca, seu objetivo é vencer, pois, como recompensa, o ganhador poderá conhecer pessoalmente o Criador.


Não tenho palavras para descrever o quanto eu gostei desta série e o quanto eu gostaria que todo mundo lesse. Já tem resenhas do primeiro volume e do segundo volume aqui no blog.

Em termos gerais, a série trata de uma escola de deuses, a cada encarnação evoluímos enquanto almas até chegar nesta competição de quem será deus. Começou com quase 200 alunos, se não me engano, e aos poucos, no decorrer dos livros, restam 12 para este último.

Além das aulas, que são fascinantes, a ilha também tem seus mistérios. Um deles foi solucionado no livro anterior, mas muitos restam para este último volume. Além disso, o autor inseriu personalidades da história real no meio disso tudo. Então, enquanto lemos sobre o comum Michael Pinson, temos a participação de Jules Verne e Marilyn Monroe também.

Um dos aspectos mais interessantes é assistir, enquanto os alunos-deuses competem entre si, em um mundo similar à Terra, que por mais que as motivações dos alunos sejam nobres, a história acaba se repetindo. Então, encontramos similaridades entre o mundo criado e a nossa própria história.

Eu não posso comentar nada sobre o final deste livro, por motivos óbvios, mas ele é fenomenal! Quando eu cheguei nas últimas páginas e percebi o que o autor fez... wow! Só por ele, já compensa tudo.

Ao contrário do que pode parecer, esta não é uma série adolescente, embora também possa ser lida por eles. Eu não consigo por em palavras o quanto esta história é ótima. Só tenho que dizer para todos que me lêem, leiam esta série. Ela tem livros gordinhos, mas passam voando. Vale muito a pena!


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…