Pular para o conteúdo principal

Resenha | Mentirosos - E. Lockhart


Editora: Seguinte
Páginas: 272
Estrelas: ✬✬
Publicado originalmente em 2014 com o título de We Were Liars


Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano o patriarca, suas três filhas e seus respectivos filhos passam as férias de verão em sua ilha particular. Cadence - neta primogênita e principal herdeira -, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos.
Durante o verão de seus quinze anos, as férias idílicas de Cadence são interrompidas quando a garota sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu.

Esse vai ser um daqueles posts com opinião impopular. Eu li esse livro quando ele estava no alto do hype e acabei me decepcionando bastante.

Esse é o problema de livros que são super-populares, não? Eu fui ler esperando ter minha mente distorcida por uma reviravolta fantástica e mirabolante. E, ok, eu fui surpreendida, mas a surpresa não anulou o fato de que eu não criei empatia com nenhum dos personagens (exceto os cachorros, mas isso não tem nada a ver com a habilidade de escrita da autora).

Como diz a sinopse, o livro trata de Cadence, com quem aconteceu um mistério no seu "verão dos 15 anos" que ela esqueceu e agora, aos 17 anos, ela volta para esta ilha e tenta lembrar o que foi que aconteceu.

Tirando a parte da revelação do que aconteceu, eu diria que o livro é mediano. Eu li, mas não me envolvi, as páginas só passavam. Se eu não quisesse saber o que iria acontecer, provavelmente teria deixado para ler depois ou até não ler mesmo. Agora o final, sim. Ele é digno de aplausos e elogios, eu não imaginei o que iria acontecer - e como não estava envolvida com o livro, nem tentei adivinhar.

Tanto os Mentirosos, quanto seus pais e as picuinhas de família foram mal explorados, na minha opinião. Se eu tivesse que selecionar um personagem preferido, seria o avô, patriarca da família, que não goza de uma boa reputação entre os personagens do livro, mas foi o único que me pareceu crível nesse meio que a autora propôs de riqueza e opulência.

É como eu disse, essa minha opinião não é compartilhada pela ampla maioria dos leitores. Eu acho que desde que o livro saiu, vi uma pessoa que também não gostou muito. De resto, só pessoas apaixonadas. Então, se houver uma curiosidade, eu diria para ler. Mas se não gostar, não diga que eu não avisei.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Édipo Rei e Antígona - Sófocles

Editora: Martin Claret
Páginas: 143
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em (aproximadamente) 427 a.C.

Sófocles foi um dos maiores poetas dramáticos da Grécia antiga. Édipo Rei (c. 430) narra a tragédia do homem que, perseguido pelo destino traçado pelos deuses, mata o pai e casa-se com a própria mãe. Antígona (c. 442) é a tragédia da boa filha que morreu por obedecer aos mandamentos divinos em contraposição à vontade despótica de um tirano.