Pular para o conteúdo principal

Filme | Vingadores 2 - A Era de Ultron

Olá, tudo certo por ai?

Título Original: Avengers: Age of Ultron
Lançamento: 23 de abril de 2015
Com: Mark Ruffalo, Andy Serkis, Chris Evans e mais
Dirigido por: Joss Whedon
Duração: 141 minutos
Gênero: Ação, Aventura e Fantasia.
Sinopse: Quando Tony Stark tenta reiniciar um programa de manutenção de paz, as coisas não dão certo e os super-heróis mais poderosos da Terra, incluindo Homem de Ferro, Capitão América, Thor, Hulk, Viúva Negra e Gavião Arqueiro, terão que passar no teste definitivo para salvar o planeta. Com o aparecimento do vilão Ultron, a equipe dos Vingadores tem a missão de neutralizar seus terríveis planos.






                Muita expectativa se criou para os fãs a cada noticia sobre Vingadores 2 – A Era de Ultron, e essas mesmas noticias fizeram com que eu perdesse um pouco da minha super expectativa. Muita coisa revelada a cada arte, a cada teaser trailer. Cada uma das noticias contava um pouco mais da história e chegou ao ponto de eu saber bastante sobre o filme, mesmo sem ter visto. Por isso, duas semanas antes da pré-estreia eu parei de ver coisas sobre o filme. Saia noticia, eu não lia. Queria aproveitar ao máximo a experiência da pré-estreia, ou melhor dizendo, aproveitar ao máximo meu dinheiro gasto.
                Vingadores 2 é mais um filme da Marvel, tem seus lados positivos e tem seus lados negativos. Muito foi depositado para esse filme, acho que mais pelos fãs do que pela própria Marvel.
                Mas não passa de mais um filme da Marvel. Vingadores 2 conta com ótimos efeitos visuais, a fotografia é bacana. As cenas de luta são boas, bem coreografadas, explorando ao máximo a capacidade de cada herói em cena.
                O filme ainda conta com sua boa dose de humor, assim como o primeiro. Piadas boas e engraçadas, em pontos importantes do filme, algum exagero aqui e outro ali, mas nada que venha a estragar a cena nem nada. Já o drama também é uma parte importante do filme, diferente do primeiro onde faltou um pouco até.
                O ponto de vista do vilão é bem explorado, apesar de ser um ponto de vista batido e clichê. Também tem todo o drama do Hulk, ou melhor, do Dr. Banner. O drama nesse segundo filme é explorado mais do que no primeiro, mas ainda sim em poucas doses.
                Outra coisa diferente do primeiro filme são, como eu chamo, as cenas quadrinhos. Aquelas cenas onde a câmera pega o grupo em formação, atacando, defendendo, lutando, dançando, etc e tal. Cenas típicas dos gibis, e que são bastante exploradas.
                Mesmo sendo um pouco mais do mesmo, Vingadores 2 – A Era de Ultron ainda é um filme divertido, pra quem gosta do gênero. Fica difícil entrar em detalhes sem dar spoiler por isso finalizo aqui. E minha nota acaba sendo bastante influenciada pelo motivo do filme ser “um pouco mais do mesmo”.

Nota: ✬ 3 Estrelas.

E você, já assistiu Vingadores 2? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.
Siga o blog!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever