Pular para o conteúdo principal

Série | Penny Dreadful - Primeira Temporada

Olá, tudo certo por aí?

Título Original: Penny Dreadful
Dirigido por: Coky Giedroyc, J.A. Bayona, James Hawes.
Emissora: HBO (Brasil).
Elenco: Eva Green, Reeve Carney, Timothy Dalton e mais...
Gênero: Drama, Suspense, Terror.
Duração: 50 minutos (Cada episódio)
Enredo: Em Penny Dreadful, alguns dos personagens mais famosos e assustadores da literatura mundial, como o Dr. Frankestein e sua criação, o eternamente jovem Dorian Gray e icônicas figuras do romance Dracula, estão todos vivendo nos cantos obscuros de Londres Vitoriana.





                Casos sobrenaturais, demônios, vampiros e personagens clássicos. Tudo isso em uma única série, esse é o caso de Penny Dreadful. E onde mais essa série poderia se ambientar senão na Londres vitoriana. O local perfeito para todos os seres místicos e clássicos existirem.
                Penny Dreadful foi uma série que conseguiu me ganhar em seus primeiros minutos. Com um toque de terror e suspense bastante forte, ela tem a capacidade de entreter e cativar vários públicos. Acho difícil você assistir e não gostar.
                A série foca na busca de Sir Malcolm e Vanessa Ives para encontrar a filha de Sir Malcolm, Mina. Essa que teria sido “capturada” por um ser diferente de nós. Durante essa busca um grupo diferente vai se formando, uma “Liga Extraordinária”.
                Durante essa busca, vários personagens clássicos e históricos vão entrando na história, alguns apenas mencionados, como no caso de Jack o Estripador. Outros já fazem parte da série como personagens fixos, como no caso Dr. Frankenstein e Dorian Gray. Apesar de que, eu ainda não entendi o papel de Dorian Gray na história.
                A primeira temporada foca bastante na busca por Mina, mas vai trazendo várias dicas sobre o decorrer dos episódios. Nos mostra a importância de Vanessa Ives na história ainda não revelada. E diversos seres sobrenaturais.
                Outra coisa legal de reparar, além das “dicas” que vão aparecendo nos episódios. É reparar nos nomes dos personagens apresentados. Um exemplo, a própria Mina. Se você sabe que ela é, já sabe quais são os seres sobrenaturais que a “levaram”.
                A série é estrelada por Eva Green, que faz a personagem Vanessa Ives. Acho que todo mundo sabe que Eva Green dispensa apresentações, mas caso você não se lembre de quem ela é, eu ajudo. Ela fez Artemisia em 300: A Ascensão do Império. Ava Lord em Sin City. E mais alguns por ai. Resumindo, ela é uma baita atriz, e não é diferente em Penny Dreadful.
                A primeira temporada de Penny Dreadful conta com 8 episódios.

Nota: ✬ 4 estrelas

Bah 1: Vale lembrar, rola peitinho, bundinha e pintinho na série.
Bah 2: Por isso a classificação é 16 anos.
Bah 3: Segura a onda DG. Better to burn out, than to fade away".

E você, já assistiu Penny Dreadful? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.

Siga o blog!

Comentários

  1. Eu ouvi coisas ótimas sobre essa série, e a presença da Billie Piper me deixa com mais vontade ainda de assistir. Mas é terror, o computador fica na sala de estar... É melhor eu deixar ela de lado. Por um tempo. Meus 13 anos não me deixam assistir essa série por completo.
    photo-and-coffee.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, jóia?

      Olha, caso você veja Game of Thrones, não vejo problemas em assistir Penny Dreadful. Sobre ser terror, nem causa tanto medo assim, E quem tá te dizendo isso sou eu, um baita de um medroso hahahaha

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…

Resenha | História do Mundo em 6 Copos - Tom Standage

Editora: Zahar Páginas: 256 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 2005 com o título de A History of the World in 6 Glasses


História do Mundo em 6 Copos - Tom Standage escolhe um ângulo inusitado para analisar as civilizações - as bebidas. Em seis copos, o autor mostra como a cerveja, o vinho, os destilados, o café, o chá e a Coca-Cola influenciaram os rumos da história mundial e definiram políticas e práticas sociais. Da pré-história à era da globalização, as sociedades elegeram diferentes bebidas e tiveram suas trajetórias fortemente ligadas a elas.