Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Dominó Preto - Florbela Espanca


Editora: Martin Claret
Páginas: 127
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado originalmente em 1982 com o título de O Dominó Preto

O Dominó Preto inclui vários contos escritos por Florbela nesta altura em que se sentia menos virada para a poesia, e enquanto se dedicava a traduções de romances franceses, dadas as fracas condições económicas. Mostra-se um livro mais ligeiro e menos imbuído do tom funesto e soturno que Florbela imprimirá ao seu livro de contos seguinte, As Máscaras do Destino. No entanto, devido às partilhas dos direitos de autor, o livro só seria publicado em 1982, passados cinquenta anos sobre o desaparecimento da poetisa.

Não é segredo para ninguém que não sou fã de contos, entretanto, tenho tentado ler mais e entendê-los mais. Esse é um pequeno livro de contos que tem como temática principal as mulheres, exceto o último.

Mas não são sobre mulheres destemidas, mulheres ativistas, mulheres fantásticas. Na verdade, é um retrato da condição da mulher. Os protagonistas, na sua maioria são homens que ficam interessados em alguma mulher, e com isso, a mulher é vista através de seus olhos.

Embora publicado em 1982, provavelmente foi escrito em meados de 1927, portanto, trata-se de uma época bastante diferente da atual. Aqui, as mulheres admiradas são as castas, puras, à semelhança da mãe. Enquanto que mulheres ditas diferentes disto devem ser afastadas a todo custo.

O primeiro conto, Mulher de Perdição, é o primeiro e mais longo conto. Os outros, ocupam poucas páginas. Porém, uma coisa que me chamou a atenção foi que mesmo em contos de 10 páginas, eu tive um envolvimento com a história contada.

Eu achava que contos, para serem bons, deveriam ser longos, aproximando-se de novelas, na extensão. Porém, a autora me provou errada. Gostei muito da leitura desse pequeno livro.

São curtas histórias para se ler em pequenos momentos de lazer ao longo do dia. Eu o li em momentos ociosos no escritório, quando tinha um tempinho. Não toma muito tempo para a leitura e vale a pena pela qualidade de escrita.



Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…