Pular para o conteúdo principal

Wishlist | Todas as Coisas que eu já Fiz

Editora: Rocco
Páginas: 384

Nova York não é um lugar bacana no ano de 2083. Chocolate e café são ilegais, a água é cara e os banhos não podem ultrapassar 90 segundos, a comida é racionada, ninguém tem permissão para ter celulares, e-mails são pagos e todos os menores de 18 anos têm de obedecer a um rígido toque de recolher.Anya é filha de Leonyd Balanchine, um dos grandes chefões do crime organizado, cabeça da Balanchine Chocolate, responsável pela distribuição ilegal de chocolate e outras coisas mais, como tráfico de armas e operações pouco nobres no mercado negro. Leonyd morreu anos atrás, mas até hoje sua influência é sentida pela jovem, que apesar de querer distância dos negócios da família constantemente se vê recorrendo aos ensinamentos do pai para lidar com as situações que tem que enfrentar. E a vida de Anya não é fácil. Aos 16 anos, é ela quem cuida da avó, presa a uma cama, alimentada por tubos e definhando lentamente; do irmão, Leo, um doce rapaz de 19 anos com mentalidade de 8 desde que viu a mãe ser assassinada na sua frente; e da irmã Natty, 12 anos e verdadeiro prodígio da matemática. Entre as obrigações em casa e as tarefas da escola, Anya não tem muito tempo para se meter em encrencas sérias.Mas tudo muda quando ela é acusada de envenenar com uma barra de chocolate seu ex-namorado, Gable Arsley. O rapaz espalhou boatos maldosos sobre Anya, razão mais que suficiente para a jovem ser considerada culpada, sobretudo quando é comprovado que a origem do chocolate está na família Balanchine. Sem nunca perder a cabeça e determinada a provar sua inocência, Anya começa a descobrir que por mais que tente é difícil fugir de sua herança: os Balanchine estão por trás de seus problemas com a lei, e ela se vê presa aos intricados negócios de seus tios e primos, gente que até gosta dela, mas que fará quase tudo para se dar bem e conseguir o que deseja.A situação fica ainda mais complicada quando Anya se vê cada vez mais envolvida com Win Delacroix. Garoto romântico e encantador que faz lindos planos como, por exemplo, se casar com Anya, ele tem o grave defeito de ser filho de Charles Delacroix, promotor de Justiça que não quer saber de qualquer tipo de ligação com os Balanchine. Forçada a defender seus interesses e a tomar atitudes que vão contra o que acredita, cabe à menina proteger seus irmãos e impedir que seus parentes acabem destruindo uns aos outros. Nessa batalha, Anya terá a companhia de sua melhor amiga, Scarlet, mas terá que contar com seu próprio talento para a liderança e vocação para a estratégia para salvar o que ainda resta de sua família, em todos os sentidos, ainda que o preço a pagar seja alto demais.

Uma distopia onde ninguém pode ter celulares, onde chocolate e café são produtos ilícitos traficados por máfias... será que me interessa?  Assim que li essa sinopse, adicionei na wishlist.

Ainda mais, sabendo que a autora também escreveu A Vida do Livreiro A. J. Fikry, que eu adorei. Preciso dessa trilogia para ontem!

Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Já tava super animada querendo ver a resenha e bum! hauhauahuha bobona eu que não me atentei ao título do post! Agora também quero muito ler! =D

    Sumo, mas volto Rafa! <3

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora: Record Páginas: 220 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977.

Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.