Pular para o conteúdo principal

Resenha | Cidades de Papel - John Green

Editora: Intrínseca
Páginas: 368
Estrelas: ✬✬✬
Publicado originalmente em 2008 com o título de Paper Towns


Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma.
Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.
Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.



Com o filme, ficou fácil escolher qual seria o próximo livro do John Green que eu leria. Mas tenho de ser sincera, foi o que menos gostei do autor até o momento. Já li A Culpa é das Estrelas e Quem é você, Alasca?, sem contar o conto do autor em Deixe a Neve Cair.

Neste livro, o mistério é Margo. Margo é daquelas garotas que fazem o que querem, sem se importar com o que vão pensar, tem uma vida extremamente misteriosa e, por isso, acaba gerando a curiosidade de todos.

Quentin, que é o protagonista, é seu vizinho e apaixonado, desde que ambos eram crianças. Quando Margo o chama para uma aventura, ele até pensa duas vezes, mas acaba indo junto com ela. Depois disso, ela some, desaparece e, parece que, deixa pistas para que ele possa segui-la.

Com essa história básica, passo à opinião. Na verdade, o que faltou foi a empatia com os personagens. Ao contrário dos outros livros do João Verde, em que eu consegui enxergar adolescentes reais, que poderiam ser meus amigos, neste livro, faltou tempero, faltou veracidade, faltou a construção da empatia do leitor com os personagens.

Quentin não me estimulou, nem a pobre Margo, embora com ela seja mais fácil de simpatizar - quem não curte um mistério? A característica marcante do autor, em construir personagens secundários bons, se mantém nesse livro. Mas até mesmo eles não foram suficientes para me fazer gostar mais do livro.

Além disso, não gostei do final. Aliás, gostei em partes. Gostei da escolha do autor em não fazer um final feliz ou triste, propriamente dito. O final, ao contrários dos personagens, é real. Não sei, acho que estava esperando muito do livro.

Dos livros do autor, este livro ocupa o último lugar no meu rol de preferidos. Mas ainda assim, trata-se de uma leitura divertida de se fazer, gostei de acompanhar o mistério de Margo. Mas eu não furaria a fila com ele, não.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…