Pular para o conteúdo principal

Resenha | Lua de Larvas - Sally Gardner


Editora: WMF Martins Fontes
Páginas: 298
Estrelas: ✬✬✬
Publicado originalmente em 2012 com o título de Maggot Moon


Standish Treadwell é um jovem disléxico que vê o mundo de maneira diferente da maioria. Graças a essa visão, ele percebe que o mundo lá de fora não tem que ser necessariamente cinzento e opressor. Quando seu melhor amigo, Hector, é de repente levado embora, Standish percebe que cabe a ele, a seu avô e a um pequeno grupo de rebeldes enfrentar e derrotar a opressão permanente das forças da Terra Mãe. Com o pano de fundo de um regime implacável, disposto a tudo para vencer seus rivais na corrida para chegar à Lua. Este impressionante Lua de larvas é o novo livro da premiada autora Sally Gardner.

Acredito que esse livro tenha sido um daqueles, quando você está com altas expectativas e quando lê, acaba não encontrando tudo aquilo que esperava.

Standish é o protagonista que nos conta a história. Começa contando um dia na sua escola, o diretor esquisito, o espancamento de um colega, o sumiço de um amigo. Tudo meio largado para o leitor, sem um pano de fundo em que possamos nos agarrar e recair.

A história segue para elaborar um pouco mais sobre onde ele mora, com seu avô e o relacionamento que tinha com este amigo que "some", seus planos para quando crescer e coisas assim. 

Para mim, faltou aquilo que acontece quando nos importamos com o futuro do personagem. Quando ele nos conquista, quando ficamos curiosos com o que vai acontecer, mas também torcendo para que tudo dê certo no final.

O personagem é disléxico, mas na verdade, foi assim que eu, enquanto leitora, me senti no desenrolar da história. Não consegui enxergar a beleza e o simbolismo por trás da visão do personagem, faltou empatia, realmente.

Talvez se eu tivesse lido com mais atenção... Ou não, quem sabe a leitura simplesmente não foi para mim. Não era o que eu esperava e não conseguiu me tocar. É uma pena.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…