Pular para o conteúdo principal

Leituras da Semana #16


Sério, esse mês tomei um suquinho de super-potência para leituras. Já falei aqui antes, que acredito que tenha fases, fases de séries, fases de leituras, já que essas são as minhas principais fontes de entretenimento.

Mais uma semana cheia de leituras para contar.


Comecei a semana terminando a leitura de A Mágica da Arrumação, da Marie Kondo. Não sei porque, mas a ideia de minimalismo e de destralhar é interessante para mim e é a base fundamental deste livro.

Ela é até um pouco xiita a respeito disso. Não preciso explicar meu choque quando ela fala que precisamos destralhar os livros, né? Basicamente, ela fala que temos que nos livrar dos livros "por ler", pois se não foram lidos até agora, não o serão no futuro; e também, que deveríamos retirar da estante todos os livros que não temos pretensão de reler. 

Enfim, não pretendo seguir à risca os mandamentos da autora, mas já comecei a destralhar algumas coisas por aqui.


Vocês sabem que eu não fiquei empolgada com a série Maze Runner, mas não podia deixar de terminar a série com os Arquivos. Acho que vale a pena ler mais essas 80 páginas. É ok.


Tentação ao Pôr do Sol é o terceiro livro da série Os Hathaways. Embora eles não tragam nenhuma novidade, são livros gostosos de ler. São romances históricos.


Não sei o que falar sobre Fale!. Ainda não consegui me decidir se a temática principal dele seria considerada um spoiler ou não. De qualquer forma, é uma leitura bem interessante e necessária. Acho que quem leu e gostou de A Lista Negra, gostaria deste livro também.


Fechando a semana, A Mulher de Preto. Tá, eu confesso que não sou parâmetro para livros/filmes de terror, mas eu só consegui ler esse livro de dia, com pessoas em volta.

Eu já tinha assistido ao filme, e estes dias, foi adicionado no Netflix o segundo filme, por isso, trouxe à minha memória este livro. Aliás, o primeiro e o segundo livro tem autores diferentes, não sei qual é a história disto - o segundo é tipo uma fan-fic? Sei lá...

De qualquer forma, eu gostei bastante do livro, apesar do medinho que causou. Já não me lembrava da história, então, o final foi surpreendente de novo (eu nunca me lembro dos finais das coisas...).

E você? Que tem lido de interessante? Deixe nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Édipo Rei e Antígona - Sófocles

Editora: Martin Claret
Páginas: 143
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em (aproximadamente) 427 a.C.

Sófocles foi um dos maiores poetas dramáticos da Grécia antiga. Édipo Rei (c. 430) narra a tragédia do homem que, perseguido pelo destino traçado pelos deuses, mata o pai e casa-se com a própria mãe. Antígona (c. 442) é a tragédia da boa filha que morreu por obedecer aos mandamentos divinos em contraposição à vontade despótica de um tirano.