Pular para o conteúdo principal

Chegou | Agosto 2015


Esse mês eu me passei um pouquinho, mas quem nunca?



Alguns dias atrás teve uma promoção na Amazon, a Book Friday, adivinha quem não resistiu? o/

Acabei comprando a trilogia Fundação, O Livro de Marcar Livros, Faça Boa Arte, Fama & Loucura e A Morte da Luz *.*

Seus lindos, vou lê-los logo!


Estes foram comprados dentro das "normas" impostas por mim mesma. As Sombras de Longbourn para alimentar meu vício em obras spin-off de Jane Austen. E Dom Casmurro e os Discos Voadores para continuar lendo essas paródias que tenho amado!


Para estes, eu não tenho desculpa nenhuma. Fazendo meu filme 3 e 4 e um livrinho de memórias, Uma Casa no Meio do Caminho.


Ah, e tinha esquecido de colocar na foto acima, Ovelha. Estou super curiosa para ler *.*
Junto com este comprei também O Conde Enfeitiçado, sexto livro da série dos Bridgerton, mas este não está comigo, está emprestado para a mãe e a vó lerem hehe

Eu poderia dizer que me sinto mal por ter comprado livros além da conta, mas estaria sendo insincera. Adooooro comprar livros e...aconteceu. São todos livros que pretendo ler logo, estou remanejando minhas leituras ainda, mas quero fazer caber tudo ;)


E vocês? Tem comprado alguma coisa? Já leram algum destes? Deixe nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | O Curioso Caso de Benjamin Button - F. Scott Fitzgerald

Editora: L&PM
Páginas: 64
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1922 com o título de The Curious Case of Benjamin Button

Em uma introdução a “O curioso caso de Benjamin Button”, Fitzgerald escreveu que baseou esta história numa observação de Mark Twain – ele afirmava ser uma pena que a melhor parte da vida viesse logo ao começo e a pior parte ficasse para o final. Neste conto, Fitzgerald inverte esta lógica: o esperado bebê do casal Button nasce com setenta anos, um metro e 73 centímetros de altura, uma barba proeminente e muitos cabelos brancos. Para além do estranhamento inicial que o nascimento causa na Baltimore do século XIX, Benjamin, a cada dia que passa, fica menos enrugado, menos curvado e mais jovial. Publicado pela primeira vez na revista Collier’s, em 1921, o conto foi eternizado no cinema com a atuação de Brad Pitt, que interpreta Benjamin durante toda a vida. Este personagem que vai rejuvenescendo ao longo dos anos levanta uma das maiores questões da humanidade:…