Pular para o conteúdo principal

Resenha | Jogador nº 1 - Ernest Cline


Editora: Leya
Páginas: 464
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 2011.


Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência.

Uma distopia com gostinho de previsão futurística. Este livro foi lançado faz tempo, mas creio que do ano passado para cá explodiu e foi uma chuva de recomendações.

Wade Watts é um caçador de ovos. Neste mundo, em que tudo falta, desde comida a empregos, e felicidade também, seus habitantes vivem através do Oasis.

Esse 'jogo' é uma realidade virtual levada ao extremo, tudo que você pode imaginar, se faz através do jogo, inclusive ir à escola - uma espécie de EAD interessante, não? Também serve para construir amizades e explorar a galáxia virtual. Tem um sistema de pontos que vai te permitindo se armar e se locomover. É dividido em "nichos", existem áreas que são armamentistas e você está sujeito à violência, também tem áreas para diversão com boates e coisas assim, ou áreas como a escola, que é livre de violência e basicamente você só pode estudar.

O criador do Oasis morreu e no seu testamento, deixou de legado seu jogo para quem conseguisse encontrar um easter egg criado por ele mesmo dentro do jogo. Wade é um dos que ainda tem esperanças de encontrá-lo e mudar sua vida. E já na primeira parte do livro, ele encontra a primeira parte do Easter Egg e aí o livro se desenvolve.

Este livro é o paraíso para nerds, cheio de referências e a própria história também acaba fascinando por ser dentro de um jogo. De leitura rápida e frenética, eu quis saber o que iria acontecer em seguida e não consegui largar o livro.

Ah, é interessante que, quando a primeira pista é encontrada, reacende a busca e existem organizações, empresas, que são especializadas na busca. Assim, com o tempo, a vida virtual se mistura com a vida real, com um bombardeio na casa de Wade. É, também fiquei surpresa.

Enfim, gostei muito deste livro e é extremamente recomendado. Mesmo para não-nerds, que não pegariam as referências (como eu, em várias partes). Ele serve à vários públicos, tem romance, tem aventura, tem violência, tem amizades legais, tem mistério, é show. Estou ansiosa para o próximo livro do autor.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

  1. Ebaaa! Que bom que gostou!!! =D

    C me deu uma ideia! Estou numa ressaca literária braba e pensei em talvez relê-lo para voltar aos eixos!

    bjos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Édipo Rei e Antígona - Sófocles

Editora: Martin Claret
Páginas: 143
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em (aproximadamente) 427 a.C.

Sófocles foi um dos maiores poetas dramáticos da Grécia antiga. Édipo Rei (c. 430) narra a tragédia do homem que, perseguido pelo destino traçado pelos deuses, mata o pai e casa-se com a própria mãe. Antígona (c. 442) é a tragédia da boa filha que morreu por obedecer aos mandamentos divinos em contraposição à vontade despótica de um tirano.