Pular para o conteúdo principal

Resenha | Steampunk Poe - Edgar Allan Poe

Editora: ID
Páginas: 248
Estrelas: ✬✬✬✬✬
Publicado em 2011.


Steampunk - Poe - Apresenta o casamento entre o clima gótico dos contos e poemas do escritor clássico norte-americano. Edgar Allan Poe, e o chamado "Steampunk", gênero da ficção científica e da fantasia que mescla aspectos tecnológicos do século XIX (steam = vapor), a uma certa rebelião contra a tecnologia (o punk). Embora muitos sempre tenham achado que figuras góticas e engrenagens enferujadas se destinavam a ser parceiros brilhantes, o resultado supreende tanto aos admiradores do escritor, quanto ao gênero. A obra de Poe é aprsentada em textos completos, com os contos macabros de horror e mistério intensificados pelas igualmente mórbidas ilustrações no estilo Steampunk. Prepare-se, pois você pode nunca mais encarar Poe, ou o Steampunk da mesma maneira. 

Meu primeiro contato com os contos de Poe! Encontrei essa edição numa promoção em uma livraria aqui da minha cidade e comprei.

São sete contos e duas traduções d'O Corvo, do Machado de Assis e do Fernando Pessoa. O diferencial dele está nas ilustrações que acompanham o livro, no estilo steampunk. As ilustrações são lindíssimas e valem a pena, algumas são super sinistras e aderem mais terror aos contos.



Os contos são "A Máscara da Morte Rubra", "O Coração Delator", "A queda da casa de Usher", "Os assassinatos da Rua Morgue", "O Embuste do Balão", "Os óculos" e "O método do Doutor Tarr e do Professor Fether".

De uma maneira geral, eu gostei de todos os contos. Com destaque especial aos mais famosos, até por razões óbvias. A Máscara da Morte Rubra eu já conhecia através de um vídeo da Tati Feltrin pro mês do horror, achei bem macabro, gostei muito.

Mas o conto que mais ficou na minha cabeça foi "A Queda da Casa de Usher". Que continho sinistro, assustador, de deixar a espinha incomodada. Enquanto eu escrevo este post está chovendo e me assusta só de relembrar.

Eu pretendo continuar lendo Poe, tenho aqui o Histórias Extraordinárias, na edição da Companhia das Letras de bolso. Gostei muito!

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog!



Comentários

  1. MERDA! Mentira que existe esse livro.
    PRECISO LER! Preciso ter. Poxa! Eita.
    Com certeza. Leia mais POE e me conta tudo.

    http://gabryelfellipeealgo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora: Record Páginas: 220 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977.

Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.