Pular para o conteúdo principal

Concluindo Abril


Abril passou voando, não? Vem conferir o que eu li nesse mês.


Neste mês, consegui "recuperar" uma leitura atrasada dos meses anteriores, como vocês sabem, minha meta para 2015 era ler 156 livros, 3 por semana. Eu estava com 3 livros atrasados, e nesse mês, consegui ler 14 livros, um a mais que a meta mensal.

Porém, eu devo dizer que estou repensando seriamente essa meta. Ela já era doida para início de conversa, mas com o desenrolar do ano, está se tornando mais louca ainda. Creio que vou me satisfazer se simplesmente manter a quantidade de livros lidos no ano de 2014.

Sem mais delongas, vamos aos lidos do mês:

1. Prova de Fogo - James Dashner (Maze Runner #2)
2. Se um viajante numa noite de inverno - Italo Calvino (Projeto 1001)
3. Como Proust pode mudar sua vida - Alain de Botton
4. Bolsa Blindada - Patrícia Lages
5. Coelhoberto Pascoal e os ovos guerreiros no centro da terra - William Joyce (Os Guardiões #2)
6. Adeus, aposentadoria - Gustavo Cerbasi
7. Cidades de Papel - John Green
8. A Cura Mortal - James Dashner (Maze Runner #3)
9. Jane Austen, a vampira - Michael Thomas Ford
10. Os Melhores contos orientais (Ed. Martin Claret)
11. Os Adoráveis - Sarra Manning
12. O Sal da Vida - Françoise Héritier
13. Prodigy - Marie Lu (Legend #2)
14. O Dominó Preto - Florbela Espanca

Dando destaque para: Se um viajante numa noite de inverno, que foi uma leitura simplesmente diferente de tudo que já li, em breve resenha. E para O Dominó Preto, que é um livro de contos - vocês sabem que eu não sou muito dos contos, mas nesse caso, vale muito a pena a leitura, pois, embora pequenos, alguns com apenas 10-15 páginas, são envolventes e bem escritos.

Maio será outro mês lotado de tarefas e compromissos, porém, espero que traga tão boas leituras quanto abril trouxe. 

E você? Qual foi sua leitura preferida de abril? Deixe nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…