Pular para o conteúdo principal

Quotes #18 - O Primeiro Ano - Scott Turow

"É manhã de segunda-feira e quando entro no prédio principal posso sentir o estômago dar um nó. Pelos próximos cinco dias vou achar que sou um pouco menos inteligente que qualquer outro à minha volta. Na maior parte do tempo estarei imaginando que o privilégio que desfruto me foi conferido como uma espécie de embuste peculiar. Terei a certeza de que, não importa o que faça, não farei bastante bem, e, quando fracassar, sei que vou morrer de vergonha."



"Ah, eu gosto...como gosto! Ainda assim, é um carrossel de emoções. Muitas vezes experimento a sensação de que estou subindo pelo ar, inebriado com o poder de ampliar meus conhecimentos, estabelecer relações, absorver coisas. E de repente estou próximo do pavor."

"Pensar como um advogado envolvia estar sempre desconfiado. Devia-se reavaliar declarações, inferir de silêncios, procurar por falhas e ambiguidades. Fazia-se tudo menos aceitar uma declaração pelo que dizia."

"As coisas ainda permanecem em minha cabeça durante todo o tempo, embora às vezes eu especule se essa absorção não é um pouco perigosa ou louca. Outro dia pedi um hambúrguer e por um momento especulei a sério se não fora formado um contrato e se haveria indenização caso eu recusasse agora. O restaurante teria direito ao valor razoável do hambúrguer ou ao lucro total?"

"Fiquei imóvel por um segundo. E repeti o que acabara de pensar: não havia respostas. Era esse o ponto que Zechman - e alguns outros professores, não com tanta insistência - tentava nos incutir há semanas. As leis são expressas. Mas a controvérsia teórica nunca é definida."


Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…