Pular para o conteúdo principal

Mini-Opinião | Adeus, Aposentadoria - Gustavo Cerbasi

Editora: Sextante
Páginas: 160
Estrelas: ✬✬✬
Publicado em 2014.

Esqueça tudo o que você já ouviu falar sobre aposentadoria. A ideia de parar de trabalhar e se sustentar com um auxílio mensal é um conceito ultrapassado para dar conta do padrão de vida que queremos ter.
Bancos, empresas de previdência, fundos de pensão e o Ministério da Previdência Social recomendam que as pessoas poupem mais ao longo dos anos para chegarem com uma boa reserva à idade avançada. Mas será que apenas essa poupança resolve o problema?
Quem já passou dos 60 anos lamenta não ter se esforçado mais no passado e sabe que, mesmo que tivesse dobrado seu esforço, ainda estaria longe de uma situação confortável. Como estamos vivendo mais, com mais qualidade, custo de vida mais alto e maior nível educacional e cultural, a renda de uma aposentadoria – pública ou privada – não é suficiente hoje. A velha fórmula deixou de funcionar.
É preciso adotar um modelo realista para planejar o futuro. Reunindo pesquisas e reflexões sobre casos de fracasso e de sucesso, este livro propõe uma nova forma de enxergar o trabalho e de lidar com o dinheiro, oferecendo conselhos atualizados sobre a melhor maneira de se educar, de investir, de empreender e de gerenciar a carreira.
Ao longo de mais de uma década, Gustavo Cerbasi vem se dedicando a estudar e trabalhar com educação financeira, orientando públicos de diversas idades e classes sociais. Em Adeus, aposentadoria, ele apresenta um plano para administrar sua riqueza que inclui dicas personalizadas de acordo com sua faixa etária. Além disso, faz uma análise das modalidades existentes de aposentadoria e aponta suas principais falhas.
Sem dúvida, o desafio para conquistar uma vida futura mantendo o padrão atual e sem depender de ninguém é grande, mas é possível se começarmos a realizar esse projeto desde já.


Como eu já mencionei anteriormente, uma das minhas preocupações e metas para 2015 é me organizar melhor financeiramente. Para isso, tenho feito leituras nesse sentido. E esse livro se encaixa nessa categoria.

Que período melhor para começar a pensar na aposentadoria que não antes de entrar no mercado de trabalho? Pelo menos toda semana na faculdade ouço falar sobre a "quebra da previdência" ou ouço histórias de pessoas que perderam o poder aquisito com a incidência do fator previdenciário quando da aposentadoria. Ou ainda, quando pego um táxi dirigido por um senhor de alta idade, o que o levou a ter de trabalhar nessas condições?

Então, pensando na Rafaela de 70 anos, a de 22 tem que começar a agir agora. Meu primeiro passo foi criar uma poupança com esse fim. O segundo passo, ler este livro e descobrir que isso não é suficiente.

As propostas que o autor traz são voltadas para a iniciativa privada, especialmente. Porém, alguns conceitos podem ser trazidos para quem, como eu, quer seguir uma carreira pública.

Embora alguns conceitos sejam relevantes. Outros não vejo aplicabilidade concreta. Por exemplo, ele sugere que todos nós sejamos empreendedores na terceira idade. Sério mesmo? Eu não tenho a mínima vontade de constituir empresa, nem a capacidade para tanto. Mas esse é um ponto no qual o autor é incisivo, todos tem que praticar o empreendedorismo na terceira idade, para manter o padrão de vida.

Como concluir? É um bom livro para quem está começando a pensar no assunto, como eu. Mas não dá para levar tudo tão ao pé da letra. Tem que adaptar o que o autor recomenda para a vida de cada um.


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora: Faro Editorial Páginas: 128 Estrelas: ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831.

A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro até mesmo para desmasc…

Resenha | O Curioso Caso de Benjamin Button - F. Scott Fitzgerald

Editora: L&PM
Páginas: 64
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 1922 com o título de The Curious Case of Benjamin Button

Em uma introdução a “O curioso caso de Benjamin Button”, Fitzgerald escreveu que baseou esta história numa observação de Mark Twain – ele afirmava ser uma pena que a melhor parte da vida viesse logo ao começo e a pior parte ficasse para o final. Neste conto, Fitzgerald inverte esta lógica: o esperado bebê do casal Button nasce com setenta anos, um metro e 73 centímetros de altura, uma barba proeminente e muitos cabelos brancos. Para além do estranhamento inicial que o nascimento causa na Baltimore do século XIX, Benjamin, a cada dia que passa, fica menos enrugado, menos curvado e mais jovial. Publicado pela primeira vez na revista Collier’s, em 1921, o conto foi eternizado no cinema com a atuação de Brad Pitt, que interpreta Benjamin durante toda a vida. Este personagem que vai rejuvenescendo ao longo dos anos levanta uma das maiores questões da humanidade:…