Pular para o conteúdo principal

Resenha | O Sal da Vida - Françoise Héritier

Editora: Valentina
Páginas: 108
Estrelas: ✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de Le Sel de la Vie

Existe uma forma de leveza e de graça no simples fato de existir, que vai além das ocupações, além dos sentimentos poderosos e dos engajamentos políticos. É sobre isso que este livro fala. Sobre esse pequeno plus que nos é dado a todos: “O Sal da Vida”. Nesta meditação, nesta espécie de poema em prosa em homenagem à vida, totalmente íntimo e sensorial, a renomada antropóloga Françoise Héritier vai atrás das pequenas coisas agradáveis (às vezes nem tanto) às quais aspira o mais profundo do nosso ser: as imagens e as emoções, os momentos marcados de recordações que dão sabor à vida, que a tornam mais rica e mais interessante do que muitas vezes acreditamos que ela seja, e que nada nem ninguém poderá nos tirar, nunca, jamais!


Eu confesso que quando comprei esse livro, tinha a ideia errada sobre ele. Achei que iria encontrar uma narrativa "normal", com uma história, personagens, enredo...

Só que não. Esse livro é, na verdade, uma carta que a autora escreveu para um conhecido. Esse conhecido, um médico, abdica de vários aspectos de sua vida em nome dos pacientes. Então, ela escreve para alertá-lo de tudo que ele está perdendo na vida.


Nessa carta, à medida que os dias vão passando, ela vai lembrando de aspectos que fazem a vida ser feliz: o sal da vida.

Então, a proposta do livro não é contar uma história. Mas propor uma reflexão sobre o que faz da vida, a vida. O que nos traz felicidade, como encontrá-la no dia-a-dia.

Depois de prevenida sobre essa proposta do livro, gostei bastante desse listão. É o tipo de livro que te deixa inspirado para procurar no cotidiano coisas que te deixem feliz. É ótimo para ler na virada do ano, quando estamos inspirados na "renovação" que o ano novo traz. Além de ser um livro curto, que você pode voltar sempre que sentir que precisa daquele empurrãozinho para continuar.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Ah, eu preciso de um livro desse agora mesmo haha sua resenha me deu vontade de ler, vou tentar comprar o mais rápido possível, me interessei muito pelo o livro.

    http://criativosounao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Primeiro ano - Scott Turow

Editora : Record Páginas : 220 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado em 1977. Ao narrar as angústias, as dificuldades, os desafios e os triunfos que marcaram seu primeiro ano na Faculdade de Direito de Harvard, Scott Turow denuncia problemas surpreendentes no sistema de educação jurídica de uma das mais antigas e conceituadas instituições de ensino dos Estados Unidos. Um relato dramático e um importante depoimento do autor.

Resenha | A Arte de ter Razão - Arthur Schopenhauer

Editora : Faro Editorial Páginas : 128 Estrelas : ✬✬✬ Skoob Publicado em 1831. A forma como nos comportamos socialmente não mudou muito desde Aristóteles. Partindo dos escritos do pensador grego, Schopenhauer desenvolve em sua Dialética Erística, 38 estratégias sobre a arte de vencer um oponente num debate não importando os meios. E, para isso, mostra os ardis da maior ferramenta que todos possuímos, a palavra. Usar argumentos e estratégias certas numa conversa é uma arma poderosa em qualquer momento. E tanto vale para quem quer reforçar um talento, evitar ciladas dialéticas, ou simplesmente estar bem preparado para negociações ou qualquer outra ocasião que exija argumentação... o que acontece em todos os momentos da vida. Essas estratégias não foram inventadas por Schopenhauer. Seu trabalho foi identifica-las, reuni-las de modo coerente, mostrando como são utilizadas, em quais momentos elas surgem em meio a uma discussão, de modo que você possa utilizar-se deste livro

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora : Bertrand Páginas : 728 Estrelas : ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e persever