Pular para o conteúdo principal

Craft Corner | Manta, touca e telas


Dando uma pausa nas leituras para mostrar para vocês alguns artesanatos que tenho feito. Já não é novidade esse tema aqui no blog, já mostrei alguns marcadores que fiz, aqui.


Eu parei por um tempo de fazer qualquer coisa com as mãos, porém, encontrei um tempinho para fazer algumas coisas.

Essa manta colorida foi trabalho para 1 ano e meio mais ou menos. Ocupei restinhos de fios e enquanto falava com a minha mãe no telefone, crocheteava um pouquinho. Até que finalmente terminei!



Essa touca me deu um trabalho desgraçado e o pior, ficou grande! Eu tinha a genial ideia de colocar na secadora para tentar encolher. Basta dizer que ficou imprestável depois disso. Ainda estou pensando em como consertar o erro... quem sabe fazer uma carreira em crochê para "apertar". Vamos ver hehe


Minha avó estava mudando a sala, fez móveis planejados e afins. Para tanto, ela queria novos quadros para combinar com a nova decoração. E nesse projeto, tive a parceria com a minha mãe. 

Não ficou tãão bem quanto nós queríamos, mas combinou bem na sala. Fiquei satisfeita, afinal faz alguns anos que não pintava em telas hehe


O que você acha de trabalhos artesanais? Faz alguma coisa? Deixe nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Caramba, Rafa! Que talentosa!!! Sou um zero à esquerda com as mãos! rs Ameeeei os quadros! =D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Leituras da Semana #42

Nessa semana tirei do caminho um calhamaço de 800 páginas, Outlander - A viajante do tempo. Que livro bom, envolvente, da categoria é grande, mas é rapidíssimo de ser lido.

Conta a história de Claire, que vive em 1945, salvo engano. Ela é casada, mas passou afastada do marido graças à guerra, quando serviu de enfermeira. Eles estão finalmente indo construir um lar quando, num monumento escocês, um agrupado de pedras bem estranho, ela volta no tempo e reaparece 200 anos antes, na época dos clãs escoceses.

Lá, ela é obrigada a construir uma nova vida, pelo menos até que consiga voltar para o seu próprio tempo. Só que ela acaba envolvida numa outra guerra, e suspeitam que ela seja uma espiã inglesa. Bom, aí a vida complica. Mas ao mesmo tempo, ela conhece Jamie ♥ e até que não fica tão difícil assim viver sem banhos quentes.

Gostei muito do livro, acho que ele é super abrangente em temáticas, tem diálogos interessantes e engraçados e por mais que seja longo, as páginas foram bem explorad…

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…