Pular para o conteúdo principal

Resenha | Jane Austen, a vampira - Michael Thomas Ford

Jane Fairfax #1
Editora: Lua de Papel
Páginas: 304
Estrelas: ✬✬✬✬
Publicado originalmente em 2009 com o título de Jane Bites Back

Segundo este livro, a autora de "Orgulho e Preconceito" e outros clássicos do século XVIII não morreu, mas vive hoje numa cidadezinha no interior do estado de Nova York. Dona de uma livraria, vive frustrada por não receber os direitos autorais e ter o reconhecimento de suas obras de sucesso. Em "Jane Austen - A Vampira", ela mudou o sobrenome para Fairfax e sobrevive há 233 anos, porque foi mordida por um vampiro, quando se tornou imortal. Entre romances com o Lord Byron, que também é um vampiro, e tentativas frustradas de publicar um novo livro, Jane Austen, ou melhor, dizendo, Jane Fairfax, envolve o leitor em uma divertida viagem ao universo literário, com personagens de outras histórias, de maneira inteligente e divertida!

Já não é segredo para ninguém minha predileção por livros que envolvam a obra da Jane Austen, em especial os chick-lits que eles inspiram. Adoro Bridget Jones, Austenlândia, Eu Fui a Melhor Amiga de Jane Austen, entre outros - sem nem mencionar a lista de livros similares que quero ler.

Quando chega este livro - aliás, devidamente sequestrado da estante da minha mãe, na verdade, tive que trocar pela minha caneca do Star Wars... enfim, depois de admirar essa capa linda e ler a sinopse, fui fisgada.

Jane Austen, numa loucura amorosa temporária, é transformada em vampira pelo Lorde Byron. Hoje, ela vive numa cidadezinha, dona de uma livraria e tenta publicar um texto seu, antigo, que ficou na gaveta. Hoje ela vive com o nome de Jane Fairfax.

Acontece que, quando da publicação, surge a denúncia de que esse trabalho de trataria de um plágio de uma das irmãs Brontë. Lorde Byron resolve reaparecer também, tenta reconquistar a Jane. Enquanto isso, ela tenta começar um romance com um morador local e conta tudo para sua melhor amiga, que também é funcionária da livraria.

Ou seja, é um livro recheado de conteúdo. Como chick-lit, surpreende por ser escrito por um homem, só tinha lido um outro livro do gênero escrito por um homem, que foi O Projeto Rosie.

Esse é o primeiro livro de uma série, porém, devo dizer que não vejo perspectivas de publicação dos outros livros da série aqui no Brasil por enquanto. Este primeiro foi publicado em 2010 e não consegui contato com a editora para saber dos planos de publicação dela.

É uma pena, pois gostei bastante do livro. Achei que a trama ficou crível e original, gostei do envolvimento de outras personalidades da literatura e do ritmo do livro como um todo. É um chick-lit gostoso de se ler, ótimo para fãs de Austen.

Esse livro foi lido para o desafio Fuxicando sobre Chick-Lits de 2015, proposto pela Aione, do blog Minha Vida Literária, cumprindo o item "Ler um chick-lit que foi publicado entre 2005 e 2010 no Brasil".


E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…