Pular para o conteúdo principal

Série | Marvel: Demolidor - Primeira Temporada

Olá, tudo certo por aí?

                Enquanto os Vingadores enfrentam desastres em escala global, tem gente querendo apenas defender da melhor forma possível a sua cidade. Mas antes, ficha técnica:

Título Original: Marvel’s: Daredevil
Dirigido por: Adam Kane e uma porrada de gente, sério.
Emissora: Netflix
Elenco: Charlie Cox, Matt Gerald, Rosario Dawson e mais...
Gênero: Ação.
Duração: 60 minutos (Cada episódio)
Enredo: Matt Murdock, após um trágico acidente em sua infância, perdeu a visão, mas acabou desenvolvendo seus outros sentidos de forma extraordinária. Murdock abre seu escritório em Hell's Kitchen, seu antigo bairro na cidade de Nova Iorque, onde combate o crime como um respeitado advogado pela manhã e justiceiro mascarado a noite.





- Não recomendado para menores de 18 anos -

                Como disse no inicio, os Vingadores são os heróis mundialmente famosos, enfrentando e vencendo situações em nível mundial. Porém, na mesma Nova York destruída por Loki no primeiro filme do escalão A de heróis, temos um cara normal, que só quer o bem da sua cidade infestada por policiais corruptos, drogas e o combo todo do crime atual.
                Quem seria esse cara?! Fácil essa, um advogado qualquer, tentando ajudar pessoas de bem a escapar pelas formas legais dos corruptos que pretendem destruir a cidade a qualquer custo.
                É nessa pequena sinopse que a Netflix, juntamente com a Marvel, nos apresenta Matthew Murdock, ou o Diabo de Hell’s Kitchen, ou como todos o conhecem no final das contas: O Demolidor.
                Demolidor é só mais uma das séries de sucesso da Netflix, não adianta questionar muito, o pessoal de lá sabe exatamente o que fazer, e unidos com a Marvel, não tenha duvidas, pra quem é fã de quadrinhos, gibis e todo mais, Demolidor é a série perfeita para assistir.
                Por ser da Netflix, Demolidor tem uma grande vantagem as demais séries. Por seus episódios serem disponibilizados todos na mesma hora, ao mesmo tempo, acaba que não é uma simples série, onde a gente assiste um episódio por vez, mas sim um grande filme, que se pudesse, teria assistido todas as 13 horas de uma vez.
                Mas vamos parar um pouco de puxar o saco da Netflix e falar da série. Confesso que Marvel não é uma coisa que eu acompanho muito fora das telas. Da minha coleção de revistinhas (gibis) tem muita coisa da DC, e o pouco que tem da Marvel, são algumas séries do Capitão América e do Demolidor. Então, talvez eu tenha um pouco de propriedade pra falar da série.
                O Demolidor me conquistou nos seus primeiros cinco minutos, não foi difícil para eu entrar naquela atmosfera da cidade escura e sombria. Por ele ser cego, esse tom mais escuro a série, consegue nos transportar para aquela Hell’s Kitchen sombria e noturna. Com poucas cenas durante o dia, ficamos bastante “às cegas” durante as noites da cidade. (Tá, fiz um trocadilho, foi mal.)
                Um dos pontos positivos da série é ela não ficar presa ao Demolidor. Todos os personagens são importantes, e tem valores iguais a série. Como ela acaba abordando o tema corrupção, a profissão de Matt é importante. E com isso vai se dando a mesma importância ao amigo advogado Foggy, a secretaria Karen e todos os outros. O Demolidor ou Matt tem tanta importância quanto à velhinha que aparece em alguns episódios.
                Outro ponto forte é o vilão. Wilson Fisk é um dos melhores vilões que eu já vi nas telas. Ele sabe que fez coisas erradas, ele sabe que algumas coisas não são boas, mas certo ou errado pra ele, não passa de um ponto de vista. Confesso que em certos momentos senti pena por ele.
                A série consegue realmente consegue ter aquele ar de gibi (desculpa, HQ). Bastante violenta e sangrenta. Com vários dilemas, com um Rei do Crime sensacional e várias coisas para refletir.
                Enfim, Demolidor conta com 13 episódios de 60 minutos cada. E minha nota é:

✬  4 estrelas.

E você já assistiu Demolidor? O que achou? Não poupe seu teclado, deixe um comentário.
Siga o blog no Google Friend Connect.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Como pensar mais sobre sexo - Alain de Botton

Editora: Objetiva
Páginas: 152
Estrelas: ✬✬✬✬
Skoob
Publicado originalmente em 2012 com o título de How to Think More About Sex

Não pensamos muito sobre sexo; na verdade pensamos sobre ele da maneira errada. Assim declara Alain de Botton neste livro rigoroso e honesto cujo objetivo é nos guiar por esta experiência íntima e excitante – porém muitas vezes confusa e difícil - que é o sexo. Poucos de nós acreditamos ser completamente normais no que diz respeito ao sexo, e o que se presume que deveríamos estar sentindo raramente é a realidade. Este livro argumenta que o sexo do século XXI está fadado a ser um jogo de equilíbrio entre amor e desejo, aventura e comprometimento. Abrangendo assuntos como desejo, fetichismo, adultério e pornografia, Alain de Botton reflete sobre os dilemas da sexualidade moderna, oferecendo insights e conforto para nos ajudar a pensar mais profunda e sabiamente sobre o sexo que estamos, ou não, fazendo. A partir de meados do século XX, o discurso sobre o sexo foi s…