Pular para o conteúdo principal

HQ | Azul é a Cor mais Quente

Editora: Martins Fontes
Páginas: 160
Estrelas: ✬✬✬
Skoob


Clementine é uma jovem de 15 anos que descobre o amor ao conhecer Emma, uma garota de cabelos azuis. Através de textos do diário de Clementine, o leitor acompanha o primeiro encontro das duas e caminha entre as descobertas, tristezas e maravilhas que essa relação pode trazer.Em tempos de luta por direitos e de novas questões políticas, "Azul é a Cor Mais Quente" surge para mostrar o lado poético e universal do amor, sem apontar regras ou gêneros.

Eu não tenho o costume de ler HQs, mas nunca é tarde para começar, certo? Quando esta edição foi lançada no Brasil, fiquei curiosa para conferir e aproveitei para ler agora. 


Essa é a história de Clementine, e logo de cara, sabemos que ela vai morrer. Pois ela deixa seu diário para Emma, que resgata as memórias de ambas ao longo da história.

Clementine é adolescente, se descobrindo, e numa dessas reviravoltas da vida, se descobre homossexual. Começa a sofrer com o preconceito por sua sexualidade, inclusive o próprio, ela tem dificuldade em se aceitar.
Mas com a ajuda de Emma e seus cabelos azuis, Clementine consegue se aceitar e ambas vivem uma história de amor. Porém, é uma história triste, tanto pelo final doloroso, mas também na sua construção.

Ambas as personagens tem conflitos internos para resolverem antes de decidirem ficar juntas. E o tempo que lhes resta é pouco para viver o grande amor que têm.

Sobre o desenho, ressalto que não sou expert, mas as personagens ficaram um tanto masculinizadas, a meu ver. Não gostei da forma como as pessoas foram desenhadas. Mas gostei de como foi retratado o sexo, com imagens que me deixaram tímida, sim, mas que foram delicadas.

E você? Já leu? Deixe sua opinião nos comentários!
Siga o blog no Google Friend Connect.



Comentários

  1. Dei de presente essa HQ em amigo secreto literário e ainda não li! =´[ Morrendo de vontade, ainda mais porque o filme fica pipocando toda hora no Netflix para eu ver! Aliás c já viu? Cadê resenha? #achata kkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha | Papillon - Henri Charrière

Editora: Bertrand Páginas: 728 Estrelas: ✬✬✬✬ Skoob Publicado originalmente em 1969 com o título de Papillon

Charriere, condenado à prisão perpétua por um assassinato que não cometeu, foi um dos poucos que conseguiram fugir da Ilha do Diabo, presídio localizado na floresta impenetrável da Guiana Francesa, onde os presos pagavam por seus crimes sofrendo degradações e brutalidades. No livro, ele relata como foi acusado, fala de seu martírio ao longo dos anos de confinamento, além da corrupção entre os guardas e como planejou sua fuga cinematográfica. Quando publicado na França, “Papillon” foi alvo de grande controvérsia. Nunca se soube ao certo se os acontecimentos narrados de fato ocorreram com o autor, como ele alega – o que faria do livro um romance autobiográfico –, ou se a trama é fruto de sua fértil imaginação. “Papillon” é um dos relatos mais impressionantes e realistas de toda a literatura, um feito incrível de engenhosidade humana, força de vontade e perseverança. A história de um …

Top 5 | Livros Apaixonantes

Amanhã é dia dos namorados, por isso, sugiro leituras apaixonantes, que aquecem o coração, seja por seus personagens marcantes ou pelo romance do livro. São livros que li recentemente e que saltaram à mente quando pensei nesse tema.

Resenha | Os Instrumentos Mortais - Cassandra Clare (parte 2)

Se vocês viram a parte 1 sobre Os Instrumentos Mortais, vocês sabem que eu dividi a série em duas trilogias para comentar por aqui. Naquele post eu explico que, na minha opinião, essa divisão é viável e facilita para comentar sem dar spoilers. Lembrando que terá spoilers dos livros anteriores.
Os três últimos livros da série são: Cidade dos Anjos Caídos, Cidade das Almas Perdidas e Cidade do Fogo Celestial.
Bom, quero começar falando que graças a Deus no terceiro livro "descobrimos" que a Clary e o Jace não são irmãos. Eu já comentei na parte 1 que isso tinha ficado óbvio para mim desde o momento em que a autora resolveu dar essa guinada na história. Achei desnecessário, inacreditável e me irritou muito quando estava lendo.

Nessa segunda trilogia, há uma troca de vilões, agora Sebastian mostrou a que veio. Que, sinceramente, também é perceptível ao leitor desde que o personagem é introduzido.

Porém, tirando Cidade dos Anjos Caídos, que eu não gostei nada, acho que a história…